Olimpíadas Jaqueline Ferreira comemora lugar entre as melhores do mundo

Jaqueline Ferreira comemora lugar entre as melhores do mundo

Pesista da categoria até 87kg compete neste domingo, na terceira olimpíada da carreira dela

Agência Estado - Esportes
Atleta está entre as melhores do mundo no esporte

Atleta está entre as melhores do mundo no esporte

COB/Wander Roberto

A pesista Jaqueline Ferreira, da categoria até 87kg, compete neste domingo (1), às 23h50 (de Brasília), no Fórum Internacional de Tóquio. Integrante do Grupo B dos Jogos de Tóquio 2020, aos 34 anos, ela vai para sua terceira participação olímpica com muita experiência na bagagem.

E o momento também é favorável. A atleta vive o auge de sua carreira e conhece muito bem o caminho para a concentração na plataforma.

Os 18 anos da pesista no esporte já passam um recado importante: além de experiência, Jaqueline terá também muita dedicação quando começarem as disputas. Chegar à terceira Olimpíada, para ela, é a realização de um sonho, mas também atesta sua qualidade.

A carioca vive o seu melhor momento esportivo, que se mistura com sua empolgação. Segundo ela, o sentimento agora é o mesmo de sua estreia, nos Jogos Olímpicos de Londres-2012.

"É o meu auge, com certeza. É o sonho de todo atleta chegar no maior evento esportivo, que é a Olimpíada. Quando cheguei à minha primeira, foi uma emoção sem tamanho.

Mas senti a mesma emoção agora, é estar mais uma vez entre os melhores. É uma responsabilidade muito grande representar meu país nesse evento, uma honra também", afirmou Jaqueline.

Já nos últimos detalhes da preparação na Vila Olímpica, a atleta valorizou a oportunidade de estar perto de craques de diversas modalidades ao redor do mundo - ainda que as restrições da pandemia impeçam um contato mais acalorado, característico do brasileiro.

Uma das principais lamentações de Jaqueline é estar em Tóquio, uma das grandes cidades do mundo, e não poder conhecer mais da cultura local. "É um pouco triste pela pandemia, a gente não pode conhecer muita coisa. Essa é a parte ruim", disse.

Para a pesista, no entanto, esses problemas se limitam aos arredores do Fórum Internacional de Tóquio. A falta de público nas arquibancadas não será um fator incômodo. Afinal, segundo ela, os momentos de arranco e arremesso são de foco total.

A partir do momento em que ela caminha para a plataforma, nada mais entra pelos seus ouvidos - exceto uma voz, vibrante e familiar: a do técnico Dragos Stanica, que a acompanha no esporte desde os 16 anos.

"Quando eu entro na plataforma, não vejo mais nada na minha frente. Só escuto o Dragos gritando, porque ele consegue ultrapassar qualquer coisa... E mais nada! Não consigo ver nem ouvir mais nada", finalizou Jaqueline.

A brasileira está na disputa do Grupo B ao lado de Lidia Perez (Espanha), Clementine Noumbissi (Camarões), Yeounhee Kang (Coreia do Sul) e Kanah Andrews-Nahu (Nova Zelândia). O peso de entrada da brasileira é de 230kg.

LEIA ABAIXO: Fotos: Rebeca conquista a prata na ginástica artística de Tóquio 2020

Últimas