Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Ex-presidente de agência de publicidade reconhece subornos ligados a Tóquio 2020

Confissão é mais um capítulo de uma série de relatos que apontam para escândalos de corrupção relacionados ao evento

Olimpíadas|Do R7


Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 aconteceram em 2021, porque foram adiados pela pandemia de Covid-19
Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 aconteceram em 2021, porque foram adiados pela pandemia de Covid-19

O ex-presidente de uma grande agência de publicidade japonesa reconheceu, nesta sexta-feira (17), que pagou propina a um dos responsáveis pela organização dos Jogos de Tóquio 2020 para obter um contrato ligado ao evento. Este foi mais um capítulo de uma série de escândalos de corrupção relacionados à Olimpíada.

A confissão em um tribunal de Tóquio ocorreu depois de o Ministério Público da capital japonesa ter anunciado, em um comunicado divulgado na semana passada, que havia detido Yasuo Mori, ex-vice-diretor do comitê organizador e suspeito de práticas contra a livre concorrência por suposta manipulação nas licitações.

Essa situação complica a candidatura de Sapporo (norte do Japão) para a organização dos Jogos de Inverno de 2030. A cidade suspendeu os eventos promocionais e planeja fazer uma pesquisa com a população local para avaliar a popularidade de sua candidatura.

Os promotores acusam Shinichi Ueno, ex-presidente da ADK, a terceira maior agência de publicidade do Japão, de ter pagado pelo menos 14 milhões de ienes (em torno de R$ 546 mil) a Haruyuki Takahashi, um dos ex-membros da organização dos Jogos, em troca de um contrato de patrocínio de seu grupo. 

Publicidade

Segundo os promotores, Ueno, de 69 anos, estava "desesperado" em 2018, porque sua agência não conseguiu fechar contratos com os Jogos, implorando a Takahashi que o ajudasse. 

Takahashi é acusado de ter recebido o equivalente a US$ 1,49 milhão (em torno de R$ 7,3 milhões) em propinas de várias empresas, principalmente na atribuição de contratos publicitários. 

Publicidade

Suspeitas de corrupção também existem em relação às condições para a escolha de Tóquio 2020, evento olímpico que acabou sendo realizado em 2021, devido à pandemia da Covid-19. 

Em março de 2019, o então presidente do Comitê Olímpico Japonês, Tsunekazu Takeda, renunciou meses após ter sido acusado pela Justiça francesa.

Publicidade

Takeda é suspeito de pagar à Black Tidings, uma empresa com sede em Singapura descrita como "fantasma" por investigadores franceses, antes e depois da designação da capital japonesa por parte do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Larissa Manoela se junta a Pedro Scooby para torcer por atletas brasileiros em Paris 2024

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.