Esportes Mulheres brasileiras batem recorde de medalhas em uma edição de Olimpíada

Mulheres brasileiras batem recorde de medalhas em uma edição de Olimpíada

As atletas olímpicas do Brasil já conquistaram oito medalhas nos Jogos de Tóquio, o que representa o melhor desempenho do país na história. Nunca antes as atletas subiram em tantos pódios numa mesma edição. Isso representa uma história sendo reescrita. Rayssa Leal (do skate street) abriu o caminho e puxou a filha, uma garoto de apenas 13 anos dando o seu recado em manobras de encher os olhos, precisas e encantadoras. Sua graça foi também percebida na posta.

Rebeca Andrade (duas conquistas na ginástica), Mayra Aguiar (judô), Bia Ferreira (boxe), Ana Marcela Cunha (maratona aquática), Martine Grael/Kahena Kunze (vela) e a dupla de tênis Luisa Stefani e Laura Pigossi seguiram os passos da pequena Rayssa e também festejaram em Tóquio. A boxeadora Bia Ferreira é a única que não sabe a cor de sua medalha ainda porque ela vai disputar a semifinal, mas já tem o bronze garantido".

O melhor aproveitamento das brasileiras em Olimpíadas havia sido em Pequim-2008, com sete medalhas. Naquela edição, o país festejou pódio com Maurren Maggi (atletismo, ouro), vôlei de quadra (ouro), futebol (prata), Ketleyn Quadros (judô, bronze), Natália Falavigna (tae kwon do, bronze), Fernanda Oliveira/Isabel Swan (vela, bronze) e revezamento 4x100m atletismo (Rosemar Coelho Neto, Lucimar de Moura, Thaissa Presti, Rosângela Santos, bronze).

Após a disputa da prova de 10km, Ana Marcela deu ao Brasil sua sétima conquista nos Jogos de Tóquio. E fez questão de ressaltar a força das mulheres. "Mulher pode ser o que ela quiser, onde quiser e na hora que quiser. O tanto que a gente vem recebendo de ajuda e igualdade representa muito para o desempenho do Brasil", disse a nadadora. Talvez ela tenha sido a brasileira que mais destacou esse avanço das mulheres no pódio.

Antes de a competição no Japão começar, o Estadão apontou que os Jogos poderiam ser das mulheres. Havia ao menos três atletas que chamavam as atenções: Simone Biles, Naomi Osaka e Katie Ledecky, todas vencedoras em suas modalidades. O Brasil também despontava nessa disputa homens versus mulheres pela representatividade. O Comitê Olímpico Internacional (COI) sempre viu com bons olhos a paridade dos gêneros. Nesta edição, as mulheres tiveram 48% de representatividade, numa evolução sem volta. Em Paris-2024, estima-se que essa divisão seja de 50%.

Outros recordes por mulheres foram batidos na atual edição dos Jogos. Rebeca Andrade se tornou a primeira ginasta brasileira a conquistar o ouro e a primeira atleta do país a ganhar duas medalhas em uma única edição dos Jogos. A dupla Luisa Stefani e Laura Pigossi surpreenderam e conquistaram a primeira medalha da história do tênis brasileiro.

Além disso, a judoca Mayra Aguiar venceu sua terceira medalha olímpica (Londres-2012, Rio-2016 e Tóquio-2020) e se tornou a atleta com mais medalhas pelo Brasil, igualando Fofão, do vôlei (Atlanta-1996, Sydney-2000 e Pequim-2008).

As primeiras medalhas olímpicas de atletas brasileiras ocorreram apenas nos Jogos de Atlanta, em 1996. A final do vôlei de praia feminino reuniu duas duplas do país. Enquanto Jaqueline Silva e Sandra Pires levaram o ouro, Monica Rodrigues e Adriana Samuel ficaram com a prata. Ainda nessa edição, o basquete feminino conquistou a prata e o vôlei de quadra ganhou o bronze.

Últimas