Esportes 'Meu futuro está no Palmeiras, quero seguir fazendo história', diz Raphael Veiga

'Meu futuro está no Palmeiras, quero seguir fazendo história', diz Raphael Veiga

Raphael Veiga tem vivido dias gloriosos, os melhores de sua carreira. O sucesso demorou um pouco para acontecer no Palmeiras, mas quando veio, foi maior do que esperava. O meio-campista alcançou protagonismo na temporada passada e terminou 2021 como artilheiro da equipe de Abel Ferreira, o principal responsável por fazer decolar o futebol do atleta de 26 anos. Ele já ergueu quatro taças pelo clube, incluindo duas da Libertadores, mas suas ambições não terminaram. "O Mundial está chegando e quero continuar fazendo história", avisa Veiga.

Veiga está de férias e falou com a reportagem do Estadão por telefone dias antes de viajar a Paris, onde se encontrou com Neymar. Na sexta-feira passada, ele recebeu os prêmios de melhor meio-campista do Brasileirão no Troféu Bola de Prata e na premiação da CBF. No dia seguinte, viajou com a noiva, Bruna Santana. A ideia é descansar o que ele e seus companheiros não puderam no início de 2021 e chegar no Mundial fortalecido.

"Estou concentrado e com muita vontade de ganhar o Mundial", enfatiza o maior goleador do Palmeiras em 2021. Veiga entende que a história do clube no torneio da Fifa será diferente em 2022 por dois motivos: o maior tempo de preparação em relação à edição passada e os erros cometidos no Catar que podem servir de aprendizado em Abu Dabi.

"Por a gente já ter disputado o Mundial não será algo novo e vamos saber como agir melhor. Cometemos na última edição alguns erros que vão nos deixar mais maduros para 2022", opina. O elenco se reapresenta no dia 5 de janeiro e terá um mês para se preparar para a competição. A estreia está marcada para 8 de fevereiro.

Para chegar ao Mundial pelo segundo ano seguido, o Palmeiras mais uma vez ganhou a Libertadores. E o diferencial para derrotar o Flamengo, considerado pela maioria o favorito antes do confronto, foi a força mental do elenco, aspecto que o técnico Abel Ferreira trabalha exaustivamente. O português compartilhou o plano de jogo com os atletas dias antes da decisão e deixou os jogadores opinarem. "Foi muito aberto e transparente com a gente. Ele ganhou a nossa confiança e nos passou uma segurança muito grande para a final", observa Veiga.

DO CORITIBA, COMO ALEX, PARA BRILHAR NO PALMEIRAS - O jovem tímido que chegou ao Palmeiras em 2017, então com 22 anos, vindo do Coritiba, deu lugar, alguns anos depois, a um atleta maduro e confiante, que parece sempre saber o que fazer em campo. A confiança, ele diz, foi um dos componentes que o fez decolar no Palmeiras e se tornar um dos principais jogadores do futebol brasileiro, monitorado, inclusive, pelo técnico Tite.

"Eu comecei a crescer quando tive uma sequência e ganhei confiança. Primeiro com o (auxiliar) Andrey (Lopes, o Cebola) e depois com o Abel. Essa sequência fez com que eu atingisse o nível de confiança que eu precisava e as coisas caminharam até melhor do que eu esperava", diz Veiga.

"Sonhei em jogar e fazer gols pelo Palmeiras. Mas nunca imaginei que alcançaria tudo o que já alcancei pelo Palmeiras em pouco tempo", acrescenta o meio-campista. Ele é torcedor em campo pois é palmeirense, bem como o seu avô, Rafael, que morreu antes de ver o neto brilhar em seu time de coração, mas suas memórias se tornaram um combustível para o atleta perseguir as vitórias e títulos.

"Não é algo que fica na minha cabeça o tempo inteiro, mas, quando paro para pensar, às vezes, eu lembro que estou vivendo um sonho, ganhando jogos importantes e títulos", observa o atleta, campeão pelo clube do Paulista, Copa do Brasil e duas vezes da Libertadores. Sua trajetória se assemelha à de Alex. Ambos são meias canhotos habilidosos e saíram jovens do Coritiba para brilhar no Palmeiras.

O ex-camisa 10 teve papel importante no desenvolvimento de Veiga e lhe ajudou com ensinamentos e conselhos. "Gostava muito do estilo dele. Foi um cara que me ajudou muito quando eu subi para o profissional do Coritiba e quando vim para o Palmeiras", diz, sobre o ídolo. Fora do Brasil, ele gosta de ver jogar o belga De Bruyne, do Manchester City, e o português Bruno Fernandes, do Manchester United.

SOB ABEL FERREIRA, UM NOVO JOGADOR - Antes de se tornar peça-chave no time de Abel Ferreira e jogador imprescindível ao Palmeiras, Veiga demorou um pouco a se firmar, sem se garantir entre os titulares. Teve poucas chances em sua temporada de estreia no Palmeiras, em 2017, mas brilhou no ano seguinte no Athletico-PR. Em 2019, de volta ao clube paulista, não conseguiu repetir as boas atuações que fez no time paranaense. As coisas só funcionaram para ele no fim de 2020, quando Abel atravessou o Atlântico para suceder Vanderlei Luxemburgo.

"Desde o primeiro dia de trabalho ele conversou comigo. Perguntou onde eu gostaria de jogar. Já de início essa preocupação dele em mostrar o interesse em me ajudar foi importante para o meu futebol", conta o jogador. Ele diz não ter conversado com o treinador sobre seu futuro. Há a possibilidade de o português, que disse estar em seu limite físico e mental, não continuar seu trabalho no clube alviverde.

Sob o comando de Abel, Veiga passou a fazer funções diferentes e viu sua performance crescer. Atuou em mais de uma posição até se fixar no lado direito, mas com liberdade no campo ofensivo, e passou a ser decisivo, com gols em profusão e assistências importantes. Nesta temporada, ele balançou as redes 18 vezes, deu seis assistências, e foi o responsável por abrir o caminho para o tri da Libertadores na vitória sobre o Flamengo na decisão em Montevidéu. O chute certeiro da entrada da área, como aconteceu no Uruguai, além do aproveitamento perfeito nas penalidades, são seus maiores atributos.

As atuações de protagonismo de Veiga fizeram Tite citar o atleta em uma entrevista. O treinador busca um "ritmista" e ainda há vagas no meio de campo da seleção brasileira a menos de um ano da Copa do Mundo do Catar.

"Respeito muito tudo o que o Tite e seus auxiliares fazem. Eles sabem o melhor para a seleção. Mas fico na expectativa de ser lembrado. Tudo o que eu faço no meu presente vai refletir nos meus objetivos", ressalta.

A performance de destaque de Veiga também chama a atenção de clubes do exterior. Seu nome tem sido especulado no Inter Miami, time americano de propriedade de David Beckham. O meio-campista garante, porém, não ter recebido proposta de nenhuma equipe. Ele quer cumprir seu contrato, vigente até o fim de 2024, e "fazer ainda mais história no Palmeiras". "Saem coisas sobre mim desde quando cheguei que não são verdade. Já disseram que fui vendido para vários lugares. O meu futuro está no Palmeiras".

Últimas