Em dia especial e com título, santistas entram com nomes das mães às costas

O Santos entrou no clima de homenagens ao dia das mães. Aproveitou a visibilidade que a partida final daria aos uniformes neste domingo e, além dos patrocínios pontuais assinados, substituiu o nome dos jogadores pelo de suas respectivas mamães.

No gol, acompanhando Vanderlei, a camisa número 1 era defendida por "Dona Sueli". Outra Sueli estava representada no gramado da Vila Belmiro, mas nele não permaneceu por muito tempo. Com 25 minutos, Lucas Lima deixou o campo machucado, chorando, mas retornou ao final do jogo com a expressão bem diferente.

Herói do jogo, Ricardo Oliveira fez uma bonita homenagem, em sua página na internet, à sua mãe, Odilia, que já faleceu: "Se eu já amava minha querida mamãe que já descansa no Senhor, passei a dar mais amor ainda porque pude ver o quanto ela me amou".

Lindalva Barborsa é a mãe do atacante Gabriel. E ela tem por hábito ficar em um dos camarotes no nível campo: foi ali que ele comemorou o gol marcado na semifinal contra o Palmeiras. Mas quem chamou a atenção foi o pai de Gabriel, Valdemir Silva Almeida, que percorreu o gramado da Vila Belmiro.

"Eu fiz uma promessa quando meu filho conquistasse o primeiro título pelo Santos aqui na Vila Belmiro. Ele está aqui desde os oito anos, esse clube deu muita coisa para o meu filho. Queremos deixar o clube estruturado. Queremos retribuir tudo que o Santos nos deu", disse o pai do atacante.

Na verdade, Gabriel participou do título de 2015, mas como reserva. O atacante era suplente de outro ídolo do time, Robinho, que hoje defende o Atlético Mineiro. Seu Valdecir só evitou confirmar se seu filho deixará o clube este ano. "Plantamos uma semente e estamos colhendo os frutos. Ele tem muito a dar para o Santos. A torcida do Santos é fantástica".

Após o jogo, os jogadores seguiram para a comemoração no Salão Nobre da Vila Belmiro.