Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Bia Haddad celebra semifinal em Roland Garros: 'Estou vivendo um sonho'

Brasileira bateu Ons Jabeur nas quartas de final e avançou para a etapa inédita na carreira; decisão acontece na quinta-feira (8)

Mais Esportes|

Mais uma vez de virada, Bia Haddad se garantiu na semifinal de Roland Garros
Mais uma vez de virada, Bia Haddad se garantiu na semifinal de Roland Garros Mais uma vez de virada, Bia Haddad se garantiu na semifinal de Roland Garros

Beatriz Haddad Maia já se garantiu no 11º lugar do ranking da WTA ao chegar na semifinal inédita de Roland Garros com virada sobre Ons Jabeur.

E pode ser Top 10 caso a checa Karolina Muchova não seja campeã. A oponente encara a forte belarussa Aryna Sabalenka, número 2 do mundo, em uma das semifinais desta quinta-feira (8). O melhor resultado da carreira até então, é fruto da disciplina e coragem na visão da brasileira.

Até então, Bia Haddad jamais havia passado da segunda rodada de um Grand Slam na carreira. Ela garante que vem crescendo no circuito ao melhorar a concentração e ser aplicada durante os jogos. Antes, a brasileira aceitava a trocação com as oponentes, agora ela admite mudar sua maneira de atuar dentro de quadra quando não está cômoda.

"Acho que o fato de nunca ter passado da segunda rodada, como falei, é porque desde o começo da carreira passei muitas barreiras. Entrei no Top 100, depois Top 50, Top 20, ganhei WTA, Masters 1000, tudo aos poucos. Sempre fui me consolidando, nunca fui pessoa rompedora e fenômena, sempre tive de trabalhar duro para confiar em mim e estou muito feliz", disse à ESPN, antes de elogiar bastante a tunisiana.

Publicidade

· Compartilhe esta notícia no Whatsapp

· Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

"Ainda mais contra a Ons, jogadora que eu respeitava, vinha de 6/3 e 6/0. Quando você entra em uma quadra dessa para jogar pela primeira vez, quadra grande, vento muda, e olha para o outro lado. Estava tendo muitas chances, mesmo com 4 a 1 para ela, tive dois games que podia ter ganho. Então eu estava: 'não aceita, não se acomoda, fica, fica',. Combinei com o Rafa (Rafael Paciaroni, seu técnico) que se eu ganhasse um set, se fosse para o terceiro, eu acreditava muito", ressaltou. "Fui muito disciplinada, segui no jogo e só posso dizer que realmente estou muito feliz, vivendo um sonho que trabalhei muito duro para estar aqui."

A brasileira admitiu que precisou modificar seu jogo para buscar a terceira virada seguida em Roland Garros. "Era importante ter coragem de mudar a direção, ir para cima. Eu tinha de mudar a altura da bola ou cruzar para dentro, e não é fácil você entrar na Philippe Chatrier (quadra principal) pela primeira vez", afirmou Bia. "Tinha alguns fantasminhas. Mas consegui sacar melhor, consegui fazer boas paralelas, mudar direção (da bola). Passei por todas as experiências (na competição), jogo que fui bem, não tão bem, que eu briguei, que salvei matchs decisivos. Vamos continuar, ver até onde vai."

Pintura de quadros, viagens e acordes no violão: conheça Bia Haddad fora das quadras

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.