Esportes Liga de beisebol dos EUA pede atletas vacinados para poder liberar até videogame

Liga de beisebol dos EUA pede atletas vacinados para poder liberar até videogame

A MLB (Liga de Beisebol dos Estados Unidos) e o sindicato de atletas da categoria têm incentivado os atletas a se vacinarem. Como contrapartida, prometem relaxar os protocolos de combate à covid-19 e as restrições de circulação para as equipes que atingirem 85% de imunização em seus elencos.

De acordo com o memorando, um jogador se qualifica como "totalmente vacinado" duas semanas após receber uma segunda dose da vacina Pfizer ou Moderna ou uma única da Johnson & Johnson. Uma vez que os jogadores estejam totalmente vacinados, eles poderão "se reunir em quartos de hotel e outros espaços internos sem máscaras ou distanciamento", desde que "outros indivíduos não vacinados não estejam por perto".

Eles também podem levar familiares vacinados durante as viagens do campeonato, comer em restaurantes, não precisarão usar máscaras nas salas de musculação e não precisarão ser testados com tanta frequência. Também não precisarão ficar em quarentena se tiverem contato próximo com alguém infectado com covid-19, desde que não apresentem sintomas.

Times com ao menos 85% de seus elencos imunizados estarão liberados para jogos de sinuca e o uso de saunas. Eles podem ter permissão para jogar videogame em grupo novamente, um componente importante para o vínculo entre os atletas.

O afrouxamento das restrições deve tornar a vacina mais atraente para muitos jogadores que ainda não têm certeza se devem ou não se imunizar contra a covid-19. O técnico do New York Yankees, Aaron Boone, disse que foi vacinado na semana passada e vai incentivar seus jogadores a fazerem o mesmo. Alguns jogadores, como Eric Hosmer, do San Diego Padres, e Justin Turner, do Los Angeles Dodgers, dizem que, por já terem testado positivo para o coronavírus, têm anticorpos e ainda estão avaliando os prós e os contras de se vacinar.

A temporada da MLB começa na quinta-feira e as equipes estão fazendo planos para vacinar seus jogadores. O St. Louis Cardinals, por exemplo, espera por doses da vacina Johnson & Johnson. "Eu diria que estou esperançoso de que as pessoas façam isso, porque, obviamente, quanto mais vacinas mais liberdade ou normalidade poderemos experimentar", disse John Mozeliak, presidente do Cardinals.

"Vamos ter fãs no Busch Stadium e em diferentes estádios. Queremos compartilhar nosso jogo com pessoas que amam o esporte. É por isso que estou animado para o início da temporada", Mike Shildt, gerente do Cardinals.

Últimas