Lance Viña compara Brasil e Uruguai e diz que Luxa ajuda por ter sido lateral

Viña compara Brasil e Uruguai e diz que Luxa ajuda por ter sido lateral

Lateral-esquerdo do Palmeiras vê futebol uruguaio inferior ao do Brasil, apesar de ser mais aguerrido, e comenta que saiu do Nacional para se manter na América do Sul para evoluir

Lance
Lance

Lance

Lance

Contratado pelo Palmeiras no final de janeiro, Matías Viña chegou avisando que, apesar de ter o interesse do Milan, trocou o Nacional pelo Palmeiras para evoluir seu futebol, e aponta que o fato de Vanderlei Luxemburgo também ter sido lateral-esquerdo ajuda. Ao mesmo tempo em que convive com as adaptações de trocar o Uruguai pelo Brasil, dentro e fora de campo.

- A Libertadores é o campeonato mais importante da América do Sul, desfruta-se muito, ainda mais em uma equipe tão grande como o Palmeiras, que busca a Libertadores. Tive a chance de jogar também pelo Nacional, que também a busca, mas o futebol uruguaio está um degrau abaixo do futebol brasileiro. Aqui, obviamente, há muito mais chances de ganhar a Libertadores, que é um sonho para todos - disse o lateral aos canais oficiais da Libertadores.

- O nosso grupo na Libertadores está muito forte. Há muita intensidade nas partidas, isso ajuda muito a competição. Jogamos contra equipes que não são brasileiras, com outras características. Não sou do Brasil, e o futebol uruguaio deixar claro que é muito mais aguerrido do que o futebol brasileiro. Mudam as características dos jogadores, das equipes. É preciso estar preparado para isso, pois é a competição que todos querem ganhar - completou o camisa 17.

Matías Viña teve a contratação aprovada por Luxemburgo por sua velocidade, tanto para atacar quanto para recompor a defesa. Por isso, o Verdão ficou com 50% dos direitos do lateral-esquerdo, campeão e eleito o craque do Campeonato Uruguaio de 2019 pelo Nacional, por cerca de 3,5 milhões de euros (R$ 16,6 milhões, na época). Intensamente elogiado pelo técnico em entrevista ao LANCE!, o jogador prevê evolução com o treinador.

- Vim ao Palmeiras pelo meu crescimento, sabia que iria me ajudar muito na carreira. Queria seguir no futebol sul-americano, que conheço. Claro que é outro ritmo, outros tipos de jogadores a enfrentar. No Brasil, estão os melhores laterais. Isso vai me ajudar muito. O Vanderlei jogou na minha posição, me ajuda muito, falando comigo e dando conselhos. Tenho de escutá-lo e tentar fazer as coisas da melhor forma possível - disse Viña, falando de sua rotina.

- Muito tranquilo, sempre com o mate. Não se deixa isso, é um costume do Uruguai. Na alimentação, estou me adaptando. Aqui se janta mais cedo, às 19h. No Uruguai, jantamos 21h, 21h30 - disse Viña, indicando que tenta não se restringir a conversar com o paraguaio Gustavo Gómez, que fala espanhol.

- Com os meus companheiros, falo com quase todos. Obviamente que, com o Gustavo, tenho um pouco mais de relação. Mas trato de me entender com todos, me ajudam com o idioma. Estou preparado para tudo, é um grupo muito lindo, na verdade, e isso também me ajuda na competição. São unidos, indo para o mesmo lado - enalteceu o lateral-esquerdo uruguaio.

Últimas