Lance Tite vê desafios para avaliar rivais do Brasil, mas diz: 'Essência somos nós'

Tite vê desafios para avaliar rivais do Brasil, mas diz: 'Essência somos nós'

Em entrevista coletiva online nesta sexta-feira, comandante da Seleção Brasileira vê desafios 'em termos estratégicos' e também detalha sua rotina na quarentena

Lance
Lance

Lance

Lance

Os efeitos da pandemia do novo coronavírus não passaram em branco na entrevista coletiva online concedida por Tite. Na tarde desta sexta-feira, o comandante da Seleção Brasileira reconheceu que haverá dificuldades para avaliar como estão Bolívia e Peru, adversários do início de jornada nas Eliminatórias da Copa do Mundo (nos dias 9 e 13 de outubro, respectivamente).

- - A parte clínica, física e técnica, todas as equipes não têm parte tática e não estão se mostrando. Nós e eles. Então, fica prejudicada em termos estratégicos, mas a essência somos nós, nosso desempenho e nosso resultado - declarou.

Em seguida, o comandante contou como foi seu período de quarentena.

- Acompanhamento de todos os jogos, a ponto de minha esposa e minha filha me perguntarem de futebol. A gente desenvolveu um modelo que a Seleção Brasileira usa agora, para aqueles que gostam de estudar futebol, organização tática, a construção como inicia, a média, a alta, entre linhas, o que é externo, flutuação. Isso, didaticamente, a gente quer passar para o público e passar de situação mais clara. Para não ficar no imaginário. Explicar o que é marcação adiantada - e apontou:

- Quem pegar aquele 1 a 0 contra a Alemanha, que vencemos, vai ver o que é marcação adiantada. Queremos transformar em ação, mostrar para ex-atletas, universidade do futebol, na CBF Academy. Tudo isso - completou.

O treinador afirmou que as partidas com portões fechados é frustrante, mas destacou o cuidado sanitário.

- Difícil transmitir sentimento, estar perto do torcedor é energia inconteste. Fui ver o jogo no Maracanã, sem público e você pensa "que coisa estranha". Você quer entrar no ritmo normal e pensa "não é normal". Nada substitui o lado humano, nada - disse.

Em seguida, ele mostrou sua confiança na equipe médica que cerca atletas e comissão técnica da Seleção Brasileira.

- Tenho certeza de que esse posicionamento que todos temos é de primeiro respeitar as pessoas que têm lugar de fala. Médicos como o doutor Pagura, doutora Andrea, depois disso, preservando lado humano, termos lado profissional desenvolvido. Tomara que tenhamos sempre discernimento para podermos nos orientar também - disse.

Últimas