Lance Scheffer diz que não ter competido no Rio em 2016 o motivou a subir no pódio nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Scheffer diz que não ter competido no Rio em 2016 o motivou a subir no pódio nos Jogos Olímpicos de Tóquio

O nadador levou o bronze para o Brasil nos 200m livre na natação e contou como treinou muito para chegar até esse momento

Lance
  • Lance | por Lance

Lance

Lance

Lance

Mesmo sendo desconsiderado como favorito ao pódio olímpico, Fernando Scheffer surpreendeu jornalistas e torcida brasileira ao ficar com o bronze nos 200m livre dos Jogos de Tóquio 2020. Em entrevista coletiva ele comentou sobre expectativas que os outros e até ele mesmo tinham nessa competição:

- A gente se cobra muito, sonha com as olímpiadas, com o ouro. Mas conforme a gente vai se aproximando da competição a gente tira essa cobrança. Isso atrapalha a concentração então foco na minha prova(...) Até nadar na raia 8 foi estratégico, eu estava ali no cantinho, enquanto cada um fazia sua prova.

Sobre a preparação até ali, o nadador contou sobre a dificuldade que é dentro da piscina. Já que são anos de treino para mostrar seu desempenho em praticamente um dia só:

- Quando a gente treina a gente sabe o que é capaz de fazer. E o mais difícil é colocar na hora certa tudo que a gente praticou. Passar as etapas, quartas de final, semifinais e chegar na final e aí sim colocar tudo que praticou para fora. (...) Os meus pontos fortes são as minhas viradas e uso o máximo disso. Tentei não olhar para os lados e fazer a minha prova e seguindo a minha estratégia até o final.

O atleta também havia ficado de fora dos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, mas canalizou toda a frustação de não ter competido nesta edição, para enfim, chegar ao pódio:

- Ficar de fora das Olimpíadas do Rio foi uma motivação para me motivar ainda mais nos treinos. Mas a gente veio melhorando com muito treino. (...) Isso me deu força e motivação e aproveitar a oportunidade aqui com todas as forças.

Fernando Scheffer também foi grato ao seu treinador que não desistiu do atleta, mesmo que a maioria acreditasse que ele não teria chance em Tóquio:

- Se eu pudesse escolher alguém seria dedicado ao meu técnico Sergão, que conviveu mais comigo nesses últimos tempos. Me ajudou a chegar até aqui. É a pessoa que me ajudou a passar por cima de tudo, sempre confiou em mim e eu sempre confiei nele.

Mesmo com a torcida brasileira do outro lado do mundo, Scheffer falou sobre ter sido um momento especial ver toda a torcida que recebeu através da televisão e internet:

Depois da prova quando eu vi ali na telinha meus pais, meus amigos, minha esposa e minha antiga técnica Ana Paula eu fiquei muito feliz. Por estarem todos ali me apoiando, a sensação foi muito boa. - O surfista encerrou a coletiva agradecendo a torcida.

Veja abaixo o quadro de medalhas dos Jogos Olímpicos de Tóquio:

Últimas