Lance Projeto resgata reabilitação através de fisioterapia e permite que pacientes voltem às atividades físicas em Magé-RJ

Projeto resgata reabilitação através de fisioterapia e permite que pacientes voltem às atividades físicas em Magé-RJ

Projeto resgata reabilitação através de fisioterapia e permite que pacientes voltem às atividades físicas em Magé-RJ

Lance
Lance

Lance

Lance

A fisioterapia é uma grande aliada de quem sofre sequelas de acidentes e patologias, pois ameniza dores e traumas e permite o retorno a atividades físicas necessárias no dia a dia, como caminhar, correr, subir escadas e praticar esportes. Entretanto, nem toda a população possui condições de pagar um tratamento. Por isso, ações públicas que oferecem o serviço de reabilitação aos necessitados são de suma importância.

Um bom exemplo é o projeto da prefeitura de Magé, na Baixada Fluminense, chamado de "Mais Saúde", que atende dois grupos de pacientes: aqueles que sofreram sequelas de Acidente Vascular Encefálico (AVE) e aqueles com patologias na coluna. Um dos fisioterapeutas do programa, Felipe Martins exaltou a ação.


“Existem muitas pessoas com problema crônico na coluna e nós fazemos exercícios de mobilidade. Muitas vezes pensamos que com dor na coluna não podemos fazer nada, pelo contrário, temos que mobilizar para descompensar o músculo, descomprimir e alongar", explicou o responsável pelo grupo que sofre de patologias na coluna.

Lidiane Araújo atende o grupo com sequelas de AVE. Ela celebra o fato do projeto ter voltado a atender, no final de dezembro, após um hiato forçado pela pandemia.

"Esse projeto já é realizado há um tempo pela Prefeitura, mas, por conta da pandemia, esse serviço ficou paralisado e os pacientes perderam esse tratamento. Agora, a nova gestão retornou com a fisioterapia", comentou.

Sônia Maria Duarte, de 70 anos, é uma das atendidas pela ação da prefeitura. Em seu relato, ela exalta o impacto da fisioterapia em sua rotina.

Essa fisioterapia é uma maravilha. Acho que se eu estivesse pagando no particular não seria tão bem atendida como aqui. Cheguei basicamente torta, tinha que andar de cadeiras de rodas e muletas, com ajuda das pessoas porque não andava sozinha e não conseguia levantar o braço. Agora penteio o cabelo, tomo banho, faço comida, lavo roupa, arrumo casa, faço tudo.”

Últimas