Por 99 a 88, contas de 2018 do Vasco são reprovadas pelo Deliberativo

Auditoria aprova contas, mas apresenta ressalvas por diferenças no pagamento do Profut e valores de origem não identificados, o que faz maioria do Conselho optar por reprovação

Lance

Lance

Lance

Por onze votos de diferença, as contas do Vasco de 2018, primeiro ano da gestão do presidente Alexandre Campello, foram reprovadas. Em votação na noite desta quinta-feira, na sede náutica do clube, na Lagoa, 99 conselheiros votaram pela reprovação, enquanto 88 votaram pela aprovação. A votação foi nominal, e teve recontagem dos votos por parte do mandatário. Estas contas de 2018 foram auditadas pela BDO.

Foi a segunda reunião para tratar sobre o tema. Em outubro do ano passado, os conselheiros já haviam se reunido para votar as contas de 2018, mas uma briga generalizada entre membros políticos na sede náutica do clube acabou fazendo Roberto Monteiro, presidente do Conselho Deliberativo do Vasco, suspendendo a reunião por tempo indeterminado.

As contas auditadas pela BDO foram aprovadas com ressalvas, apontando uma somatória de três valores em R$ 41.637.000,00 milhões para os quais, segundo o relatório de conclusão, não foram obtidas evidências de auditoria apropriada e suficiente quanto a sua existência e realização, deixando de opinar sobre o acontecimento.

A conclusão do documento também chama a atenção para um problema com o Profut. Em 2018, o Vasco obteve aproximadamente R$ 36 milhões em depósitos judiciais para quitação de parte do endividamento no âmbito desse programa. Entretanto, em 2019, o Vasco recebeu uma notificação da Receita Federal do Brasil referente a diferenças nos pagamentos efetuados até então. Ou seja, o documento aponta uma diferença entre o valor obtido em 2018 e o valor pago em 2019, se eximindo de opiniões sobre. Entretanto, o Vasco renegociou a dívida no fim de 2019 e fez um reparcelamento do valor total da dívida.

Esta foi a segunda vez na história que um presidente do Vasco teve suas contas em exercício reprovadas. A gestão de Roberto Dinamite teve as contas reprovadas por todos os anos de seus dois mandatos. Logo depois, Eurico Miranda retornou à presidência do clube e, por três anos, teve suas contas aprovadas.

*Mais informações em instantes

> Confira a seguir vídeo do momento do anúncio da reprovação das contas!