Pernambucanos vencem a Maratona do Rio

No retorno da prova presencial, evento reúne cerca de 30 mil corredores em dois dias de competição em quatro distâncias

Lance
Lance

Lance

Lance

Só deu Pernambuco no alto do pódio da Maratona do Rio. Justino Pedro da Silva e Mirela Saturnino de Andrade foram os campeões da prova disputada nesta segunda-feira (15). Cancelada em 2020 por causa da pandemia, o retorno da prova presencial contou com a participação de cerca de 30 mil corredores nas quatro distâncias do evento (42km, 21km, 10km e 5km), no domingo (14) e na segunda.

Estreante na Maratona do Rio, Justino Pedro não só venceu como é o novo recordista da prova, com 2h13m31s, um ritmo de 3m09s/km. “Foi um ano muito difícil, mesmo assim não deixei de treinar em nenhum momento, pois sabia que em algum momento as competições iriam voltar”, afirma o campeão. “Estava confiante no resultado e deu certo. Ano que vem quero estar de volta”.

O recorde anterior da Maratona do Rio pertencia a André Luiz Ramos. Em 1988, ele marcou 2h13m52s, mas em um percurso diferente.

Em segundo lugar também ficou o pernambucano Edson dos Santos, com 2h16m40s. O paulista Samuel Nascimento terminou na terceira colocação, com 2h18m38s.

Mirela Andrade venceu o 42km em 2h35m36s, com um ritmo de 3m54s/km. “Estou muito feliz, especialmente após tanto tempo em casa”, diz a atleta. A vice-campeã foi Rejane da Silva, com 2h46m58s, seguida por Marina Gomes, com 3h04m01s.

Campeões da Meia Maratona do Rio

No sábado, a vitória masculina na Meia Maratona foi do baiano Marcos Fernandes da Cruz, de 37 anos, com o tempo 1h08m42s. “Meu próximo passo é correr a Maratona. Fiquei um ano sem correr e, nos últimos seis meses, estou em Brasília treinando para resgatar meu ritmo para as competições”, afirma ele, que este ano conquistou a BSBS Race Half Marathon.

O segundo colocado foi Frederico Santos Abraão, com 1h10m00s. Em terceiro ficou Willdeberg Claudino dos Santos, com 1h10m35s.

No feminino, Simone Ponte Ferraz venceu com o tempo de 1h15m21s. Atleta do Brasil nos 3.000m com obstáculos nas Olimpíadas de Tóquio, a catarinense estava contente com sua primeira conquista numa meia maratona. “Estava me preparando para tentar representar o Brasil na Maratona em Tóquio, mas em virtude da pandemia, pelas restrições de viagem e por não ter maratonas, eu retornei para as pistas e foquei na prova que eu sempre corri desde muito nova. Depois das Olimpíadas, retornei para as provas de rua. Estar de volta e vencer uma competição tão emblemática foi muito especial”.

Com o tempo de 1h15m39s, Maria Aparecida Ferraz ficou em segundo lugar, seguida por Jéssica Ladeira Soares, com 1h16m35s.

Uma nota trágica foi a morte de um corredor a poucos metros da linha de chegada da Meia Maratona. Ele foi atendido pela equipe médica do evento e depois levado para o Hospital Souza Aguiar, mas não resistiu.

Sócio-fundador da Maratona do Rio, João Traven considera que os dois dias de provas foram de superação. “Desde março do ano passado vivíamos incertezas e precisamos nos adequar a novos formatos para manter vivo o espírito da Maratona do Rio, como a de realizar o formato virtual da prova. Agora, olhando o nosso retorno presencial, valorizamos ainda mais o esporte e momento de reencontro com atletas. Tivemos lágrimas de superação e de emoção, tivemos doação, entrega, mas acima de tudo tivemos um evento mágico. Entregamos a edição de 2021 já fazendo planos para o próximo ano. Os atletas podem aguardar a melhor e maior Maratona de todos os tempos”, garante Traven.

Para Duda Magalhães, presidente da Dream Factory, que divide a organização da Maratona do Rio com a Spiridon, de Traven, o evento mostra a força do esporte para o Rio. “Se os atletas precisam das ruas, o que dizer desta Cidade Maravilhosa? O Rio respira experiências ao ar livre e nada mais dentro deste contexto que a Maratona do Rio. Começamos com a corrida e terminamos em uma grande celebração na linha de chegada, no pódio e na festa do público”. (Iúri Totti)

Últimas