Lance No Twitter e na Justiça: Roberto Monteiro, presidente do Deliberativo do Vasco, ataca Campello e Salgado

No Twitter e na Justiça: Roberto Monteiro, presidente do Deliberativo do Vasco, ataca Campello e Salgado

Pedido é por condenação da dupla por suposta "má-fé". Ele atacou também Faués Mussa, e afirmou que os três terão responsabilidade num eventual rebaixamento do time

Lance
Lance

Lance

Lance

Enquanto aguarda decisões do Tribunal de Justiça - especialmente do desembargador Camilo Ribeiro Ruliére - sobre a eleição, o Vasco tem mais um capítulo em sua sina política. Desta vez, o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Roberto Monteiro, se manifestou em ambientes público e nos bastidores.

Por meio de sua conta no Twitter, ele criticou outros personagens da política cruz-maltina. Na visão de Monteiro, são alguns dos causadores do atual momento do time de futebol.

- Clube abandonado! Final trágico. Mussa, Campello e Salgado ainda querem o quê? Deixem quem ganhou ajudar o que vocês, cotidianamente, vêm destruindo. A segunda divisão, se acontecer, terá o nome de vocês. Irresponsáveis, respeitem as urnas - transição já - pregou Roberto Monteiro, citando os presidentes da Assembleia Geral, da atual diretoria administrativa e o candidato mais votado na segunda eleição.

Não por coincidência, dois citados no tuíte também são mencionados na ação ingressada por Roberto Monteiro. O pedido é pela condenação de Alexandre Campello e Jorge Salgado por suposta má-fé. O mandatário do Deliberativo vascaíno entende que houve tentativa de "atentar contra a dignidade da Justiça". O site "Esporte News Mundo" publicou primeiramente sobre tal movimentação.

-> Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

O caso tem a ver com a eleição do último dia 7. Na ocasião, Luiz Roberto Leven Siano se sagrou vencedor, mas Campello, Salgado e Júlio Brant contestam juridicamente a validade do pleito. Uma nova votação ocorreu, então, no dia 14. Somente Salgado e Brant participaram, e Salgado foi o primeiro colocado.

O processo eleitoral vascaíno, porém, está todo judicializado.

Últimas