Lance No Bola da Vez, Duda Amorim, da seleção de Handebol, fala sobre aposentadoria após Olimpíadas

No Bola da Vez, Duda Amorim, da seleção de Handebol, fala sobre aposentadoria após Olimpíadas

Atleta afirma que já planeja seu pós-carreira e fala sobre rotina

Lance
Lance

Lance

Lance

A convidada do Bola da Vez desta semana é a jogadora da Seleção Feminina de Handebol, Duda Amorim. No programa, com apresentação de André Plihal e participações do narrador Fernando Nardini e do comentarista de handebol Carlos Alberto De Simone, a atleta falou sobre a possibilidade de encerrar sua carreira após os Jogos Olímpicos de Tóquio. O Bola da Vez inédito será atração do canal ESPN Brasil neste sábado, às 22h.

Eleita a melhor jogadora de handebol do mundo em 2014, MVP do Campeonato Mundial vencido com a Seleção Brasileira em 2013, Duda Amorim coleciona grandes conquistas em seu currículo, tendo sido considerada a melhor atleta da modalidade em todo o mundo na última década. A catarinense, de 34 anos, também é pentacampeã da Liga das Campeãs da Europa, no qual ganhou o prêmio de melhor defensora quatro vezes, com o Győri ETO KC, da Hungria, equipe que representa desde 2009.

No Bola da Vez, Duda falou sobre o momento atual de sua carreira e revelou o motivo de estar considerando a aposentadoria.

Confira a tabela do Brasileirão e simule as últimas rodadas

- Na verdade, eu quis tirar o máximo da minha carreira, então em alguns momentos eu me sinto cansada também, a gente não é um robô. Por isso que esse é o pensamento de terminar depois da Olimpíada. Estou fazendo agora mestrado em gestão esportiva, então eu gostaria de trabalhar no handball. É muito difícil identificar onde, como e em que lugar que eu vou estar, mas espero receber alguma oportunidade - declarou a atleta, que completou:

#Record levou o Carioca: lembre grandes eventos esportivos que já passaram fora da Globo

- Eu gostaria de começar aqui na Europa, acho que aqui é o centro para depois distribuir essa experiência de volta para o Brasil. Mas eu tenho um sonho muito grande de trabalhar e aumentar o nível do handball, principalmente o feminino. Acho que o masculino já está muito bem, já tem uma visibilidade enorme e o feminino tem espaço para isso, principalmente aqui na Europa, a gente tem bastante time, bastante qualidade, bastante menina com talento - complementou Duda ao analisar as possibilidades do futuro de sua carreira.

Últimas