Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Não se deve criticar o Alcaraz, diz Roddick

Americano ex-número 1 do mundo comentou a parte física do espanhol em final em Cincinnati

Lance

Lance|Do R7

Lance
Lance Alcaraz durante Cincjnnati / Crédito: WS Open

Andy Roddick comentou ao Tennis Channel sobre o duelo entre Carlos Alcaraz e Novak Djokovic válido pela decisão do Masters 1000 de Cincinnati, nos Estados Unidos, e disse que não é momento para se criticar o espanhol.

"Há uma coisa que está clara para mim: não sei se é o melhor jogo de três sets que já vi, mas sei que você não está louco se pensar nisso. Acho que é uma hipérbole, tem sido um dos mais físicos e bem executados que já vi, cheio de drama, um público que estava lá... é muito difícil encontrar uma crítica a esse jogo, talvez o Alcaraz tenha feito um jogo em que relaxou mais no terceiro set, mas é normal isso acontecer quando tem jogo de quatro horas. Novak tirou força da fraqueza, achou que estava frito depois de uma hora de jogo, e de repente você olha o relógio e percebe que eles estão no jogo há 3 horas e 50 minutos e parece em melhor forma do que no primeiro set Alcaraz começou a acertar os winners com ultrajante sangue-frio quando estava enfrentando o match point ... é tudo que você procura em uma partida de tênis. Damos muito destaque a algumas partidas e rivalidades, mas não acho que estamos superestimando uma partida como esta."

Ao ser questionado sobre questão física de um jogador de 36 anos ter superado os 20 de Alcaraz, Roddick respondeu: "Eu daria algum contexto a essa afirmação. Novak ainda não sabia tudo sobre cada parte de seu corpo quando tinha 20 anos. Você sempre procurava alongar as trocas: naquela época, o que eu fazia quando enfrentava Novak seria visto agora como uma missão suicida. Você tem que dar ao Carlos o tempo necessário para conhecer seu corpo 100%. Mudei as coisas no meio da minha carreira, a dieta pode fazer a diferença, mas tudo isso é um processo de tentativa e erro. Não devemos criticar muito o Carlos: foi uma partida extremamente física e ele tinha acabado de fazer uma longa partida de três sets no dia anterior, assim como na véspera, e anteontem também.

Isso para uma coisa. Novak, por outro lado, é um espécime absoluto. Que aos 36 anos ele foi capaz de ir lá e fazer isso... depois que o sol se pôs, as coisas mudaram. Tanto o sol quanto o calor o afetavam. Assim que as condições melhoraram um pouco, ele fez algumas pausas (risos). Ele encontrou uma maneira de ir aos vestiários e trocar de roupa. Não podemos ficar bravos com Nole por fazer a pergunta, precisamos direcionar tudo isso para o árbitro, que é o responsável por fazer cumprir as regras. Ele finalmente encontrou uma maneira de mudar isso, e é impressionante. Quanto a Carlitos, hoje já está uma hora e um quarto melhor do que antes no que toca a jogar em condições extremas e a gerir as cãibras. Contra Sinner demorou 2 horas e 20 para ter cãibra, contra Norrie ano passado, aqui, também 2 horas e 20; em Roland Garros, a mesma coisa... e aqui eles aparecem por volta de 3 horas e meia de jogo. É o mesmo problema, mas há uma melhora substancial."

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.