Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Nadal não fixa plano 100% para a aposentadoria

Espanhol menciona Olimpíadas como possível despedida, mas se voltar bem pode seguir além de 2024. Tenista gostaria de ser...

Lance|

Lance
Lance Lance

Ainda em entrevista ao Movistar, a primeira desde a cirurgia realizada na região do quadril, Rafael Nadal comentou sobre a expectativa de retorno e disse que caso volte bem, poderia pensar em seguir mais tempo no tênis, além de 2024.

“A última vez que falei em público não sabia que tinha que fazer uma cirurgia. Na verdade tive problemas desde há um ano e meio que lesionei as costelas jogando contra o Alcaraz em Indian Wells, embora entretanto tenha vencido outro Roland Garros. Às vezes os resultados fazem maquiagem no que acontece todos os dias."

"No final a sala de cirurgia foi a única solução possível. Tive alguns meses complicados no início. Estive com minha família e aproveitei esse tempo, estive de férias - passei muito tempo no mar, navegando - e recentemente voltei ao trabalho. Precisava me desconectar."

A dor não saiu dele "mas agora é controlável. Tem hora que o pé não me deixa viver em paz, tenho dificuldade até de descer a escada, e isso acontece às vezes. Se dói é difícil para ser feliz, meu caráter muda quando dói mais do que o necessário." Para o futuro não tem “planos” mas “tem esperança de voltar e ser competitivo. Mas a esperança não é ganhar um Grand Slam, que está um pouco longe para mim devido à idade e problemas físicos. Difícil esperar certas coisas, mas quando voltar veremos como estou."

Publicidade

Rafa afirmou que, assim como outros tenistas, não assiste muito tênis quando não joga "mas isso não me faz mal. Assisto pouco tênis só por causa da desconexão. Vi as finais de Wimbledon e o US Open, mas tenho a sensação de que se assistir tênis não me desconecto completamente. Porque não vejo como um simples espectador."

"Eu disse que possivelmente 2024 será meu último ano. Mantenho isso, mas não posso confirmar 100%. Acho que há uma boa chance de que sim, porque eu sei como está meu corpo, mas como estarei daqui a quatro meses, não sei. Não tenho certeza do que farei em 2024, porque vai mudar completamente dependendo se eu tiver um objetivo ou outro. Se não me recuperar é uma coisa, se conseguir competir num nível que me entusiasma é outra... Minha esperança é, em meados de novembro, saber como estou fisicamente. Estes são os prazos que estabelecemos para nós mesmos", destacou Rafa que vem treinando três vezes por semana na quadra e fazendo muita academoa.

Publicidade

O calendário de 2024 dependerá do seu status: "Deixar o tênis nos Jogos Olímpicos seria bom, se alguém estiver disposto. Mas sou cauteloso. Se realmente sinto que tenho alguma chance de vencer em Roland Garros, teria que planejar as coisas e escolher um cronograma para isso. Se não estiver por perto para fazer isso, ainda posso fazer uma turnê de despedida por motivos sentimentais. Mas ainda não tenho uma resposta para essas coisas."

"Ainda não pensei onde quero jogar o meu último jogo. Porque também não sei quando será. .. Vivo o dia a dia para tentar me dar a opção de decidir. Vou trabalhar e depois veremos. Minha cabeça vai depender da minha condição física."

Publicidade

Ele enfatiza que neste momento está virando a página de sua rivalidade com Djokovic: “Não sinto nada quando vejo Djokovic vencer. Se eu quisesse ser o tenista de Grand Slam da história, é disso que se trata o esporte. Mas não é uma obsessão. Não me frustra saber que alguém é melhor que eu. Acredito que, dentro das minhas possibilidades, fiz todo o possível para que as coisas corressem da melhor maneira possível para mim. Acredito que para Djokovic foi teria sido frustrante se ele não o tivesse conseguido, e talvez por isso ele o tenha conseguido. Ele teve a capacidade de amar, ele levou a sua ambição ao máximo. Eu fui ambicioso, mas com uma ambição saudável que tem me permitiu ver as coisas em perspectiva, não ficar muito bravo quando as coisas não estavam indo bem para mim. São culturas. Estou feliz com isso."

Sobre as lesões, ele ressalta que "Eu mudaria muitas coisas na minha vida e na minha carreira. Tomei decisões erradas no que diz respeito à proteção do meu físico. Fiz isso quando era mais jovem, mas durante anos fui um dos os melhores jogadores do circuito. Djokovic se saiu melhor porque sua maneira de jogar lhe permitiu jogar mais do que eu. Mas eu estava errado ao pensar que minhas decisões foram boas."

Quanto a Carlos Alcaraz, pensa que “não nos precipitamos em julgá-lo. Ele tem uma projeção brutal. Tem o poder, a ambição... Mas mais tarde na carreira de cada atleta muitas coisas podem acontecer. Sou muito ruim nisso, porque aprendi mais com exemplos do que com palavras. Mas se eu tivesse que dizer algo a ele, apenas lhe diria para continuar melhorando. Pelo menos, tenha a esperança de fazê-lo, o que é o que mantém você motivado."

Rafa ressalta que atualmente seus treinos o aborrecem "embora seja o que mais me diverte. Jogo sem me mover com a intensidade que costumo fazer, mesmo que a bola passe rápido. Me seguro, mesmo com vontade de me mover. Sempre fiquei entediado durante os períodos de recuperação, mas isso nunca tirou meu foco ou entusiasmo. E

Sobre os seus planos a longo prazo, destaca que não está preocupado porque tem "projetos em andamento e acho que as coisas vão evoluir naturalmente. Se hoje me despedir do tênis tenho coisas para fazer. A Academia é um projeto importante para mim . Não acho que serei treinador em tempo integral, mas talvez o seja. No final das contas, venho do tênis e isso é muito importante na minha vida."

Rafa disse ainda que gostaria de ser presidente do Real Madri: “Não tenho esse sonho, mas gostaria. Mas hoje não há nada a dizer, porque temos o melhor presidente possível. Temos que considerar se alguém está qualificado para certas coisas. Acho que não cumpro os requisitos para ser um."

E sobre o estado atual do seu clube de futebol favorito, acredita que "o Madri começou bem, mas estamos no início. Há lesões importantes como Courtois, Militão ou Vinicius... Houve também uma contratação espetacular como Bellingham, mas um atacante seria bom. Eu receberia Mbappé de braços abertos. Quem não gosta de Mbappé?" sobre se está chateado por ainda não ter assinado: “Ele não tem obrigação de vir quando a torcida pedir. Se ele vier, sentirei gratidão, não ressentimento”.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.