Lance Jovens velejadoras de Niterói fazem vaquinha para Mundial de Snipe Feminino

Jovens velejadoras de Niterói fazem vaquinha para Mundial de Snipe Feminino

Competição 100% feminina deve reunir as melhores velejadoras do mundo em São Paulo (SP), no mês de outubro

Lance
Lance

Lance

Lance

Uma dupla de velejadoras de Niterói (RJ) movimenta a internet em busca do sonho de participar do Mundial de Snipe Feminino 2021, que será realizado no Yacht Club Paulista, na Represa do Guarapiranga, em São Paulo (SP). O evento deve reunir mais de 30 duplas internacionais, inclusive atletas olímpicas como a bicampeã dos Jogos Kahena Kunze.

As jovens atletas Rebeca Abreu, de 22 anos, e Melissa Rodrigues, de 20, são de Niterói (RJ) e para competir em alto nível com as melhores do mundo, as duas recorreram a um financiamento coletivo popularmente chamado de vaquinha para arrecadar R$ 17 mil. O montante servirá para custear a ida para um dos principais eventos da modalidade, marcado para o período de 5 a 9 de outubro.

Sob a supervisão do técnico Alex Sandro, as duas velejadoras viram que tinham o barco apropriado para a competição e condições de disputar em alto nível com as adversárias. Porém, esbarravam nos problemas financeiros. Até o momento, a dupla arrecadou R$ 1.705. Entre as despesas, estão velas novas, alimentação, hospedagem, combustível, camisas e outras taxas.

- Começamos os preparativos para o campeonato no início do ano, eu precisava me adaptar a nova função que é timonear no Snipe e também ter o entrosamento com a Melissa. Treinamos durante a semana e final de semana participamos das regatas. E quando é possível participamos de campeonatos maiores, mas nem sempre conseguimos por questões financeiras - ressaltou Rebeca Abreu.

As duas atletas tiveram o primeiro contato com a vela no Projeto Grael, um dos mais famosos por ter o nome de uma família identificada com o esporte, como são os irmãos Lars e Torben. Com essa inspiração, conseguiram praticar e dar as primeiras velejadas.

A partir daí, Rebeca participou do seu primeiro Mundial. Em 2018, a convite do velejador Mário Eugênio, foi proa no evento Master de Snipe, em Portugal. No início deste ano, olhando o calendário de competições, chamou a atenção um evento para mulheres em São Paulo (SP). Desta vez, para formar dupla com Melissa, que nunca havia participado de um evento deste porte.

Para contribuir, o site para a arrecadação é vaka.me/2319457

- A força de vontade e dedicação de Rebeca e Melissa inspiram a todas as competidoras e elevam o nível técnico da competição. Outras meninas de projetos sociais também estão preparadas para a disputa, tanto do Estado de São Paulo quanto do Rio de Janeiro. As duplas virão para disputar pra valer e certamente teremos um dos eventos mais importantes da história da World Sailing para vela feminina - explicou Paola Prada, secretária nacional da classe e organizadora.

A classe Snipe é uma das mais tradicionais da vela brasileira, com participação de medalhistas olímpicos e pan-americanos, como Torben Grael e Lars Grael. Desde 1994, a categoria tem um mundial exclusivo para mulheres, realizado a cada dois anos.

O Brasil tem uma dupla campeã na história do Snipe Feminino. As baianas Juliana Duque e Amanda Sento Sè venceram a edição de 2016 em Bracciano, na Itália. Nesta edição, a baiana Juliana Duque se juntará à Kahena Kunze, velejadora que acaba de se tornar bicampeã olímpica em Tóquio 2020.

O Mundial de Snipe Feminino tem realização do Yacht Club Paulista e Associação Brasileira da Classe Snipe, com apoio da SCIRA - Snipe Class International Racing Association.

Últimas