Guerrero comemora 2ª final em sete meses após retorno de suspensão

Atacante peruano, que cumpriu em 2019 os últimos meses de punição por doping, classificou elenco após derrota no 1º jogo com "faca nos dentes"

Jogador comentou sobre a segunda final no ano, em entrevista coletiva

Jogador comentou sobre a segunda final no ano, em entrevista coletiva

Ricardo Duarte/Internacional

Em um intervalo de sete meses, o atacante peruano Paolo Guerrero passou de um atleta impossibilitado sequer de atuar em função do seu caso de doping a possibilidade de ser um dos heróis na segunda final que irá disputar na temporada pelo Internacional

Veja mais: MP denuncia Najila Trindade por acusação caluniosa e extorsão

Com o adendo de que, certamente, os torcedores do Inter e o próprio Guerrero esperam um resultado diferente na Copa do Brasil do obtido pelo Depredador com a seleção do Peru na Copa América.

Em entrevista coletiva um dia antes da grande final frente ao Athletico-PR, Paolo relembrou a trajetória de superação necessária na temporada e também a sensação dentro do plantel tendo de reverter o quadro de desvantagem contraído na Arena da Baixada:

- Esse ano para mim é iluminado depois de tudo o que passei. Acabei de jogar a final da Copa América, vou jogar mais uma final. Tenho sete meses jogando, disputando minha segunda final. Muito lindo. Vai ser importante ganhar algo esse ano. É o mais importante da minha vida. Me marcou muito. Tem que ficar para a história, não só minha.

- Para nós, é uma revanche. Essa é a única coisa que a gente quer. A gente está muito ansioso para jogar. Estamos com muita vontade e com a faca entre os dentes, com certeza - acrescentou.

Veja mais: Destaques coletivos e individuais do Flamengo no 1º turno do Brasileiro

Em relação ao aspecto da confiança e atitude tanto de Guerrero como do restante do plantel, necessárias para que o Colorado fique com a taça, ele avalia que todos possuem igual importância no processo:

- Eu sigo essa pressão, essa carga. Todos os meus companheiros recebem essa carga, mas quando ganha, ganha o Inter. Eu acho que a resposta foi sólida. Não é surpresa que a gente é muito forte aqui em casa. Todo o adversário que vem aqui no Beira-Rio sofre. Amanhã (quarta-feira) vai ser jogo com muito mais confiança, mais decisão. A gente virá diferente. Vai ser o grande dia para nós.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Rivalidade e fator casa: 7 dados sobre a final da Copa do Brasil