Futebol Vítor Pereira fala sobre emoções e clima no Corinthians após vice da Copa do Brasil

Vítor Pereira fala sobre emoções e clima no Corinthians após vice da Copa do Brasil

Treinador corintiano destacou pontos que ainda fazem o elenco sentir a derrota na final do torneio mata-mata

Lance
Lance

Lance

Lance

O Corinthians ainda vive com as emoções à flor da pele pelo vice-campeonato da Copa do Brasil. O próprio técnico Vítor Pereira admitiu isso. Inclusive, o treinador corintiano disse que mesmo tentando virar a chave e focar no duelo contra o Santos, que aconteceu neste sábado (22).

+ ATUAÇÕES: Em noite festiva para Pelé, Róger Guedes brilha com a camisa 10 em vitória do Corinthians

- A forma como perdemos esse título (da Copa do Brasil), porque foi uma aposta interna, foi muito forte. Para eles (Flamengo) era mais um título, para nós era o nosso título, e perdemos. Futebol e a vida às vezes nos dão pancadas, E nesse momento vemos quem são os verdadeiros homens, conseguem levantar de novo. Mas o espaço de tempo é curto. Por mais que eu quisesse focar nesse jogo (contra o Santos), eu não consegui me desfocar do outro. Ainda vejo muita tristeza, uma frustração, porque queríamos dar muita alegria para os nossos torcedores - disse Vítor na entrevista coletiva após o duelo contra o Peixe.

Ainda assim, o Timão venceu os santistas, em plena Vila Belmiro, por 1 a 0. E, segundo VP, o triunfo dificilmente viria se o seu time viesse de uma conquista durante a última semana.

- Queríamos vir aqui (na Vila Belmiro) com o título, mas estaríamos mais relaxados, com dias de festa. E se viéssemos assim, não ganharíamos. Viemos focados no resultado, sabendo a importância do G4, que é um objetivo possível.

Ainda assim, Pereira reconheceu que o Corinthians não iniciou bem o confronto diante do Santos, mas que as mudanças feitas no intervalo, principalmente por conta da expulsão do atacante Yuri Alberto, no fim do primeiro tempo, foram fundamentais para o crescimento corintiano na etapa final.

- Vocês imaginam que o estado de espírito da equipe, o meu estado de espírito, foi de muita difícil. Dificilmente se consegue recuperar (da perda de um título) em pouco tempo. O jogo estava a se pôr a um jeito, de uma derrota para trás. É um período de muita pressão para nós e temos que ter muita sanidade para não ter problemas. Não estava lá fazendo um bom jogo, depois da expulsão, decidimos fazer algo diferente. Buscar jogadores para ocupar os espaços e compor, que fizeram um trabalho sensacional, para mim - destacou VP.

O técnico corintiano fez quatro das cinco mudanças disponíveis já no intervalo do clássico deste fim de semana, promovendo as entradas de Bruno Méndez, Roni, Du Queiroz e Ramiro no lugar de Rafael Ramos, Maycon, Fausto Vera e Giuliano.

SÃO TANTAS EMOÇÕES...

Vítor deixou claro que tem apego ao Corinthians e por isso quer ficar no clube em 2023 - ainda que questões particulares possam fazer com que isso não seja possível.

- Tô um pouco cansado. Depois de hoje é o Fluminense, que é outra obra. Poderia ver alguma coisa mais fácil. Corinthians é sofrimento.
Estou a ficar com cabelos brancos, sempre peso no peito, mas é Corinthians. Queria sentar, assistir um grande jogo, tranquilo - disse Vítor até em tom de brincadeira.

No entanto, o comandante corintiano acrescentou que todos os= treinadores sofrem e que ele quer sofrer sempre brigando pelo títulos.

- Não se constrói uma carreira sem sofrimentos, o Klopp sofre, o Guardiola sofre. Não estou me comparando com eles, mas até quem tem grandes elencos eles também sofrem muito, todo mundo sofre. Mas acredito que sofrer para não ser rebaixado deva ser bem pior, eu também já vivi a experiência e foi terrível. Aqui nós lutamos por coisas grandes - destacou Vítor Pereira.

O técnico ainda disse que a derrota para o Flamengo foi o título que mais doeu perder. Ele ciutou uma derrota para o Barcelona na Supercopa da Europa, mas que era um jogo contra o time catalão, à época treinado por Guardiola, no qual era muito difícil. Ele também mencionou um revés sofrido contra o Galatasaray, na Turquia, enquanto ele dirigia o Fenerbahçe.

Últimas