Futebol Veja os desafios do Vasco caso 'migração' para SAF se concretize

Veja os desafios do Vasco caso 'migração' para SAF se concretize

Especialista vê 'passo acertado' em acordo com investidor americano: 'Oportunidade de reformular clube que sofre há anos'

Lance
Que desafios a SAF do Vasco enfrentará caso o negócio se concretize?

Que desafios a SAF do Vasco enfrentará caso o negócio se concretize?

Lance

O anúncio de que o Vasco encaminhou acordo não vinculante para a venda de 70% das ações de sua Sociedade Anônima do Futebol (SAF) à 777 Partners aumentou as expectativas sobre os rumos do clube. A investidora americana terá de arcar com uma série de desafios para reerguer o Cruz-Maltino.

Consultor de gestão e finanças do esporte, Cesar Grafietti avaliou que, acima da entrada de aporte financeiro, o primeiro passo é a busca de uma mudança de panorama na gestão cruz-maltina.

"Do que foi anunciado, parece um passo acertado. Mais do que o dinheiro, que é importante, trata-se da oportunidade de reformular e reconstituir um clube de alcance nacional que vem sofrendo há anos", disse.

Grafietti, porém, alertou para a necessidade de uma mudança de mentalidade caso conselheiros, beneméritos e sócios aprovem a mudança de mãos da gestão do clube.

"Se o processo não incluir necessariamente uma mudança profunda na gestão, nos métodos, nas pessoas, de nada resolverá. Não existe mudança que traga apenas dinheiro, pois o histórico mostra que isso não funciona. Um exemplo foi o que ocorreu com o próprio Vasco e o Bank of America [o acordo durou cerca de três anos e rendeu títulos importantes, mas, após ser rompido unilateralmente, no início de 2001, deixou uma herança de dívidas para o Cruz-Maltino]", constatou.

Há outros investimentos nos quais o Vasco tem de se aprimorar pouco a pouco.

"Precisa de melhorias nas categorias de base, investimento em pessoal qualificado na gestão esportiva e no marketing e retomar capacidade competitiva para retornar à Série A", disse Grafietti.

Acordos no campo e investimento na infraestrutura do estádio são outros caminhos do acordo com a SAF

Acordos no campo e investimento na infraestrutura do estádio são outros caminhos do acordo com a SAF

Lance

Com previsão de receber aporte financeiro de R$ 700 milhões, o Cruz-Maltino tem seu planejamento voltado não só para quitar dívidas e fazer contratações a longo prazo. O objetivo é reestruturar por completo o clube.

"É o único caminho. Agora, o importante é encontrar o parceiro que seja capaz de mudar estruturalmente o clube e tenha liberdade para isso", disse Grafietti.

A empresa 777 Partners deseja remodelar o Complexo de São Januário. Além disso, o Vasco cederá o uso das sedes da Lagoa e do Calabouço. O desejo de finalizar o CT Moacyr Barbosa também está em pauta.

Outras diretrizes são o investimento na equipe feminina do Vasco e nos esportes olímpicos (uma promessa do mandatário Jorge Salgado).

O clube disse que foi "a maior transação da história do futebol brasileiro". A proposta de R$ 700 milhões por 70% da SAF deixa a avaliação de 100% do futebol do clube em R$ 1 bilhão. Depois disso, o clube soma as dívidas de R$ 700 milhões, que serão assumidas pela empresa.

O economista Cesar Grafietti, porém, traz outro ponto de vista.

"Esses valores não existem. 70% das ações do Vasco que 'custou' a dívida, segundo informam, são R$ 700 milhões. Dá para dizer que o clube foi avaliado em R$ 1 bilhão. Só isso. Os R$ 700 milhões de investimentos representam o valor necessário para o clube se estruturar e podem ou não gerar valorização", disse.

O prazo para que essa negociação seja finalizada é de 90 dias. Segundo a nota, o acordo pretende recuperar o Vasco e recolocá-lo no protagonismo do futebol brasileiro e internacional.

De bem com a vida, Hulk celebra títulos, família e sorriso de volta

Últimas