Sem peças-chave de 2019, Odair terá de remontar Flu para manter estilo

Tricolor não contará com Daniel, Caio Henrique e provavelmente Allan, líderes em passes e assistências e principais articuladores na temporada passada

Odair Hellmann rejeitou rótulo de retranqueiro

Odair Hellmann rejeitou rótulo de retranqueiro

Mailson Santana/Fluminense FC

Na apresentação oficial como novo treinador do Fluminense, no final de dezembro, Odair Hellmann rejeitou o rótulo de "retranqueiro e garantiu que monta as equipes com as quais trabalha, de acordo com as características dos jogadores que têm à disposição. Iniciada a temporada 2020, ele terá o desafio de manter o estilo de jogo tricolor de 2019, pautado na posse de bola e ofensividade. Para a tarefa, no entanto, não deverá contar com os líderes nesses fundamentos: o trio formado por Caio Henrique, Daniel e Allan. Os dois primeiros estão de saída, enquanto último ainda não tem permanência garantida nas Laranjeiras.

Veja mais: Com duas 'brasileiras', veja camisas de futebol mais bonitas da década

Encerrado o Brasileirão, Allan foi o jogador no elenco que mais trocou passes certos. Nas 28 rodadas em que atuou, deu 1938 toques com a direção correta, seguido por Caio Henrique, com 1929 passes certeiros, em 35 participações na competição. Daniel acabou em quinto no fundamento, com 1609 passes concluídos, em 30 partidas disputadas.

Já nas assistências, Caio Henrique foi o campeão do elenco com 50 contribuições. Daniel deixou os companheiros em condições de finalizar 42 vezes e acabou como quarto melhor no quesito, atrás de Ganso (45) e Nenê (43). Allan, que atua como volante, se destacou nos desarmes, com 43 interceptações. Caio, novamente, foi líder no fundamento, com 78.

Veja mais: Ida ao Real põe Reinier em lista de maiores vendas do futebol brasileiro

Os três atletas, considerados pilares das articulações de jogadas ofensivas, no entanto, não devem mais atuar juntos em 2020. Daniel já acertou transferência para o Bahia, Allan tem acerto com o Atlético-MG encaminhado, enquanto Caio Henrique deve ter como destino o Grêmio, conforme dito pelo próprio presidente do Flu, Mário Bittencourt, na última segunda-feira.

Novos nomes na mira

Para preencher as lacunas abertas, o Fluminense já tem alguns nomes na mira. Para a lateral-esquerda, o time negocia com Egídio, ex-Cruzeiro. No lugar de Allan, o Tricolor pode trazer o volante Henrique, ex-Raposa, e Hudson. Jogadores negociam com o clube. A criação a cargo de Daniel em 2019 pode ser feita por Yago Felipe, jogador que pertence ao Vitória e atuou pelo Goiás na temporada passada.

Odair Hellmann, portanto, terá a tarefa de observar com atenção e reencaixar as novas peças para potencializar as qualidades do Flu da temporada passada, conforme prometeu na chegada ao clube. Na coletiva de apresentação, deu dicas de como pretende fazer isso.

– O Fluminense teve um estilo de jogo e pretendo potencializar isso. Os jogadores do elenco ficando, partimos de um estágio coletivo. Caso não fiquem, partimos de um outro estágio. O Fluminense era o primeiro em posse de bola e trabalho respeitando as características dos jogadores. Eu gosto de uma equipe bastante equilibrada, organizada, mas que tenha a posse e procure o gol, seja no contra-ataque ou com troca de passes. Sem a bola vamos buscar a organização e com a bola, vamos jogar – avaliou o treinador.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Mercado da Bola 2020: veja quem saiu e quem chegou no seu time