Futebol São Paulo mantém Miranda, Lucas e Calleri em seu 'radar permanente'

São Paulo mantém Miranda, Lucas e Calleri em seu 'radar permanente'

Gerente de futebol diz que clube nem precisa se esforçar para se manter próximo ao trio, que está sempre na lista de desejos da torcida

Lance
Miranda conversa com jogadores do atual elenco

Miranda conversa com jogadores do atual elenco

Lance

O São Paulo tem três jogadores que não saem da lista de desejos da torcida e do radar da diretoria. O gerente de futebol do clube, Alexandre Pássaro, falou sobre isso ao ser questionado durante entrevista à Rádio Transamérica sobre o monitoramento constante a Miranda e Lucas Moura.

Leia mais: Luxemburgo pede volta 'estudada' do futebol durante surto da covid-19

- Adiciono um terceiro aí, que é o Calleri. Esse é o trio de ferro (risos). A gente tem que estar sempre próximo desses caras, mas o esforço que a gente precisa fazer para estar próximo deles é quase nulo, porque eles são muito próximos do São Paulo, eles são jogadores que, ao que nos consta, deixam qualquer outro clube, qualquer outra possibilidade muito distante - disse Pássaro.

São três situações bastante distintas. Dos três, quem parece mais perto de um retorno é Miranda, zagueiro que está com 35 anos e faz planos de retornar ao Brasil quando chegar ao fim o seu contrato com o Jiangsu Suning, da China, em julho de 2021. A prioridade dele será o São Paulo. Pela idade avançada e pelo plano de carreira do jogador, não seria preciso competir financeiramente com nenhum clube europeu e nem igualar os valores que ele recebe atualmente, algo impossível para o Tricolor.

Já o retorno de Calleri, atacante argentino de 26 anos, tem um grande empecilho: o grupo de empresários que pagou R$ 40 milhões para tirá-lo do Boca Juniors em 2016 e tenta, de alguma maneira, reaver parte do dinheiro. Além do São Paulo, Calleri já foi emprestado a West Ham, Las Palmas, Alavés e Espanyol, sua equipe atual. O contrato dele com o Deportivo Maldonado, clube uruguaio em que foi registrado por estes agentes, se encerra no fim de 2022. Não há sinalização de que retorne à América do Sul antes disso se não for de forma definitiva, com a compra dos direitos.

O São Paulo nunca se interessou pelo negócio nestes moldes, tanto que não fez nenhuma proposta para contratá-lo desde 2016, quando ele atuou emprestado por seis meses, marcou 16 gols em 31 jogos, foi artilheiro e semifinalista da Libertadores e encantou a torcida. No período, o clube fez investimentos altos por outros atletas da posição, como Pablo, Pato e até Raniel.

Veja também: Com futebol suspenso, fãs buscam um jeito de se distrair durante a pandemia

Lucas Moura, por sua vez, é o sonho mais distante. Ao mesmo tempo, foi o que esteve mais perto de retornar ao clube: no fim de 2017, pouco antes de ser negociado pelo Paris Saint-Germain com o Tottenham, sua equipe atual, o atacante formado em Cotia ficou perto de acertar por empréstimo com o Tricolor, conforme revelou Alexandre Pássaro nesta mesma entrevista.

Agora em alta na Inglaterra e com contrato até 2023, ele só retornará ao Brasil quando quiser. Seu plano inicial é completar ao menos dez temporadas na Europa, algo que acontecerá justamente no último ano de contrato, quando ele estará com 30 anos.

- A gente queria ter o Miranda, queria ter o Lucas Moura, queria ter o Calleri. A gente queria isso para ontem, não é segredo para ninguém. A grande questão é: em quais condições? Tanto para a gente, quanto para eles e para o clube em que eles estão - finalizou Pássaro.

Veja os 20 jogadores que mais se valorizaram em 2020 no Brasil

Últimas