Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Santos precisa se tornar SAF para ter parceria com fundo dono do PSG? Especialista explica ao LANCE!

Com intermediação de Neymar Pai em conversas, QSI demonstrou interesse em investir no Peixe

Futebol|Do R7


Lance
Lance

Resistente à ideia de se tornar SAF, o Santos negocia com a Qatar Sports Investments (QSI), que demonstrou interesse em investir no futebol do clube. A empresa catari administra o Paris Saint-Germain, da França, e se aproximou do Peixe por intermediação do pai de Neymar.

O Alvinegro está aberto a negociações de parcerias. A determinação, porém, é que o time do litoral paulista não perca o controle do clube. Em uma hipotética transformação em Sociedade Anônima do Futebol, por exemplo, o Santos venderia, no máximo, 49% de suas ações.

> Santos se aproxima de fundo dono do PSG: veja os times brasileiros que ainda podem virar SAF em 2023

Mas se a transformação em SAF não é o modelo que mais agrada ao Peixe, como poderia funcionar uma parceria com a QSI? O advogado Eduardo Carlezzo, especializado em direito desportivo e sócio do Carlezzo Advogados, explicou essa dinâmica, em entrevista ao LANCE!.

Publicidade

- Nada impede que, dentro da liberdade contratual, uma vez respeitadas as restrições esportivas previstas nos regulamentos da FIFA e CBF, o clube possa chegar a um acordo diferente com o investidor que não envolva necessariamente a cessão de ações na SAF. Tais transações poderiam ficar mais limitadas a apenas um determinado negócio dentro da estrutura do clube, sem envolver todos os ativos - disse.

Segundo apuração do L!, o Santos conversa com interessados no seguinte sentido: a empresa assumiria os custos do departamento de futebol, como contratações de atletas, planejamento de elenco e folha de pagamento de salários. Em contrapartida, o Alvinegro cederia receitas de marketing, bilheterias, patrocínios e cotas de televisão. Haveria uma divisão dos lucros das futuras vendas de jogadores.

Publicidade

Carlezzo, no entanto, alertou sobre os empecilhos legais que o modelo discutido pode esbarrar.

- É importante destacar que quaisquer arranjos contratuais, fora da lei da SAF, que envolvam o departamento de futebol, estão sujeitos a uma regra da FIFA que não permite a intervenção de terceiros na condução das atividades de futebol do clube - ressaltou.Neymar, revelado no Santos e jogador do PSG, na Vila Belmiro (Foto: Divulgação/Santos)

Publicidade

O QUE O ESTATUTO DO SANTOS DIZ SOBRE O CLUBE VIRAR SAF

- Caso ocorra a transferência de bens e/ou direitos do clube à sociedade mencionada no parágrafo anterior, o SANTOS deverá deter, no mínimo, 51% (cinquenta e um por cento) das ações ou quotas em que se divide o capital social votante e total da sociedade, e sua participação societária não poderá ser onerada ou transferida, a qualquer título, e para qualquer fim, sem a aprovação do Conselho Deliberativo (...)

ESPECIALISTA RELEMBRA LEI DA SAF

- Baseado no novo modelo implementado a partir de agosto de 2021 por intermédio da lei das SAF, a entrada de um investidor numa SAF pode ocorrer a partir da compra de uma posição majoritária ou minoritária de ações. Tudo depende da negociação específica, do tamanho do investimento e, sobretudo, da disposição do clube em ceder o comando das operações a um terceiro - explicou Eduardo Carlezzo.

COMO ESTÁ A NEGOCIAÇÃO

As conversas entre Santos e QSI, administrada por Nasser Al-Khelaifi — presidente do PSG — ainda estão em fases iniciais, até porque o assunto é visto como complexo. As partes discutem qual é o modelo viável para a parceria avançar, e o clube brasileiro segue disponível para receber outros interessados.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.