Futebol Robinho, ex-Santos, é condenado em segunda instância pela Corte Italiana por violência sexual

Robinho, ex-Santos, é condenado em segunda instância pela Corte Italiana por violência sexual

Agora, o jogador terá apenas a Corte de Apelação para se defender. Vínculo do atleta com o Peixe segue suspenso

Lance
Lance

Lance

Lance

O atacante Robinho, com passagens pelo Santos entre 2002 e 2005, 2010 e 2014 a 2014, foi condenado em segunda instância pela Corte Italiana por crime de violência sexual contra uma jovem albanesa, em 2013, quando atuava pelo Milan. Ricardo Falco, amigo do jogador também foi condenado.

O jogador havia sido sentenciado em 2017, quando jogava pelo Atlético-MG, mas não chegou a cumprir a pena de nove anos de detenção, já que o processo ainda tramitava em julgamento. Agora, cabe a defesa do atacante recorrer a Corte de Cassação, espécie de Supremo Tribunal Federal na Itália, o que deverá acontecer.

Enquanto o jogador não provar a sua inocência, o seu contrato com o Peixe seguirá suspenso. No dia 10 de outubro, o atleta acertou o seu retorno ao Alvinegro, mas seis dias depois o vínculo foi suspenso após uma série de pressões populares e de patrocinadores, que ameaçaram a romper os seus contratos, caso Robinho permanecesse no clube - a Orthopride chegou ao encerramento do vínculo.

O acordo de Robinho com o Peixe, para a que seria a sua quarta passagem pelo clube, findaria em fevereiro, com prioridade em renovação, mas a situação ficará indefinida enquanto o processo segue ocorrendo no Velho Continente.

O caso

O ato de violência sexual em que Robinho, Falco e mais cinco amigos teriam participado aconteceu em Milão, em 2013. Em um dos depoimentos, o atacante diz ter praticado sexo oral com a vitima, uma jovem de 23 anos à época, mas de forma consensual e individual.

O jogador e o seu amigo respondem em processo separado, pois os outros acusados deixaram a Itália no decorrer das investigações.

Em outubro, o site "GE" teve acesso a trechos do processo que obtém a transcrição de interceptações telefônicas legais, onde diz que não "estava nem aí", pois "a mulher estava completamente bêbada e não sabe o que aconteceu".

Últimas