Futebol Raí passará alguns dias na Europa para ampliar 'network' do São Paulo

Raí passará alguns dias na Europa para ampliar 'network' do São Paulo

Diretor executivo do clube viajará nesta sexta-feira para o Velho Continente em busca de estreitar laços com clubes e "plantar sementes" para futuros negócios, como já fez em 2019

Diretor executivo do clube viajará nesta sexta-feira para o Velho Continente em busca de estreitar laços com clubes e "plantar sementes" para futuros negócios, como já fez em 2019

Lance

Lance

Lance

Tricampeão mundial e da Copa Libertadores, o São Paulo é um dos clubes brasileiros mais conhecidos no planeta, porém quer buscar mais notoriedade lá fora por meio de parcerias e encontros com dirigentes e agremiações do Velho Continente. Para isso, Raí, diretor executivo de futebol, está de malas prontas, mais uma vez para estreitar os laços tricolores com os europeus.

A exemplo do que já fez no início deste ano, Raí embarca nesta sexta-feira rumo à Europa, para uma série de visitas e reuniões com pessoas ligadas a grandes agremiações de futebol na comunidade europeia. O objetivo é ampliar o "network" (rede de contatos em português) do São Paulo e "plantar sementes" para possíveis parcerias e intercâmbios futuros.

- já fiz algumas viagens para a Europa, não para negociação, mas para essa coisa de network, de conhecer, de estar próximo de outros clubes, isso acaba facilitando a integração e pensar melhor em possibilidades que podem surgir - disse Raí em entrevista coletiva nesta quinta-feira.

Durante a pequena excursão que vai até terça-feira da próxima semana, não há previsão de negócios com jogadores ou contratações para 2020. A viagem, de acordo com o clube, é institucional e tende também a explorar o patrocínio da Adidas, que permite ao Tricolor uma troca de informações com outros gigantes do futebol mundial patrocinados pela mesma marca de material esportivo.

Um dos temas que devem ser abordos durante os encontros de Raí é a busca por novas receitas, que possam evitar que o São Paulo precise, obrigatoriamente, vender jogadores para bater metas orçamentárias, algo que não será atingido nesta temporada. Dos R$ 120 milhões previstos, arrecadou R$ 70 milhões, ou seja, terá de achar uma solução para esse "buraco".

- Às vezes existe na parte orçamentária dos clubes uma obrigação de negociação, mas existem as janelas e existem esses contatos. A gente tem que ficar sempre de olho nessa questão orçamentária, para manter esse equilíbrio, e pensar em soluções futuras para que a gente não dependa da venda de jogadores. Isso é um objetivo da atual gestão, o que por enquanto não é a realidade, mas acredito que a gente tenha material e potencial de sobra para que a gente atinja esse objetivo - concluiu Raí.