Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

'Queremos que o fornecedor tenha dedicação ao São Paulo e não vemos isto com a atual parceira', diz Julio Casares

Presidente tricolor voltou a falar dos problemas com multinacional alemã e de possível troca de fornecedora

Futebol|Do R7


Lance
Lance

Que São Paulo e Adidas, a sua atual fornecedora de material esportivo, não falam a mesma língua há algum tempo, parece meio que óbvio. E mais um resquício dessa relação pouco amistosa entre as partes foi dada pelo presidente tricolor, Julio Casares. Em entrevista ao canal 'CNN', o mandatário do clube do Morumbi elencou mais uma vez os motivos pela insatisfação com a multinacional alemã. E reiterou: a tendência é que haja mudança de parceiro.

- Queremos hoje, uma dedicação, uma atenção 24h de nosso parceiro, de nosso fornecedor de buscar materiais exclusivos, personalizados de nossa marca. Hoje, nao vemos isto com a atual parceira. Não é possível cravar no mundo empresarial que não teremos continuidade, mas a sinalização é de que haverá mudança.

Conforme o LANCE! revelou, há uma disputa nos bastidores entre marcas conhecidas do mercado para ver quem vestirá o São Paulo a partir de 2024. Ou até antes, já que a diretoria não descarta romper unilateralmente o acordo com a Adidas. A última player a ter vazada as negociações com o Tricolor foi a Reebok, que já vestiu o clube e se reaproximou dele por meio de John Textor, dono da SAF do Botafogo.

CRISE COM A ADIDAS

Publicidade

O São Paulo discute a possibilidade levantada pela diretoria de rescindir unilateralmente de uma vez por todas o contrato com a Adidas, sua atual fornecedora de material esportivo, antes do término do vínculo, no final do ano.

O L! apurou que a nova rusga entre as partes se dá pelas reclamações de lojistas e torcedores de encontrarem os novos uniformes de 2023 lançados pela multinacional alemã em tamanhos considerados especiais.

Publicidade

A rescisão antes do tempo poderia funcionar para impedir que a Adidas faça valer uma cláusula do seu acordo com o São Paulo que prevê a prioridade para igualar ou cobrir qualquer oferta que chegar ao clube para substituí-la. Mas a tendência é que a empresa alemã parece pouco disposta a manter a parceria .

À reportagem, fontes do meio publicitário e do comércio de material esportivo revelaram que o rompimento parece encaminhado para a produtora de roupas. Há discussões na fornecedora sobre redistribuição das peças lançadas neste ano. E que aguardam apenas a assinatura da minuta para decidir o que fazer.

Publicidade

É essa parte do processo que preocupa o Tricolor. Já havia a expectativa da atual gestão desde que assumiu de romper com a Adidas. Só não foi feito por conta das multas consideradas altas. Há a expectativa de que se chegue a um acordo com os alemães para que o rompimento seja amigável.

E como ficariam os uniformes do São Paulo? O acordo com New Balance, Reebok ou Castore seria anunciado imediatamente depois do rompimento com a Adidas. E uma das alternativas estudadas dentro do clube é o uso de uma marca própria enquanto os novos uniformes são produzidos. No caso, se aproveitaria para valorizar a marca SAO, criada por Casares quando diretor de marketing na década de 2000 e reativada recentemente, com o lançamento de uma loja oficial dentro do Morumbi.

+ Todos os jogos do Brasileirão você encontra no Prime Video. Assine já e acompanhe o seu time do coração!

+ Clique aqui e veja como apostar no Brasileirão

+ Confira os jogos e classificação resultados do Brasileirão-23 na tabela do LANCE!

PARTES VIVEM RELAÇÃO DE AMOR E ÓDIO

São Paulo e Adidas, que iniciaram a parceria em 2018, vivem relações extremamente tumultuadas nos bastidores. Primeiro, o Tricolor reclama da diferença de valores pagos e tratamentos dados a ele e o Flamengo. Há queixas de que até Atlético-MG e Internacional seriam melhores servidos pela marca.

Além disso, episódios recentes escancaram o que torcedores e dirigentes chamam de descaso. Há muitas queixas pela forma como o vínculo foi acertado pela gestão de Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, antecessor de Casares. E também pelo fato de apenas o Flamengo ser tratado como 'marca global'.

Em dezembro do ano passado, o capítulo de desacordos entre as partes ganhou mais um capítulo, com os uniformes do clube usados na pré-temporada ainda exibindo a marca da Roku, fabricante de players de mídia on-line, cujo acordo venceu há três meses e não foi renovado.

A promessa era de que a situação deveria mudar no fim de janeiro, quando, enfim, o clube lançaria antecipadamente parte da sua nova coleção. Até agora, contudo, não houve fornecimento de novas camisas.

Em setembro do ano passado, o clube se viu refém da marca esportiva e taxou como 'descaso' o fato da terceira camisa são-paulina, que faz alusão ao agasalho usado pelo elenco campeão mundial de 1992, ter sumido das lojas após esgotado o primeiro lote.

Lançada em agosto, a peça esgotou em um fim de semana. E a reposição do lote de 3 mil unidades, prometida pelo Tricolor à torcida na ocasião em até 15 dias, demorou quase dois meses. Depois de arrecadar quase R$ 1 milhão no fim de semana de lançamento da camisa, a previsão do marketing são-paulino é que o clube deixou de arrecadar mais R$ 6 milhões com a peça por causa das listas de espera de clientes feitas por lojas.

No início de 2022, a rescisão chegou a ser estudada pelo jurídico tricolor, mas os valores da multa impediram o avanço do planejamento. O contrato entre as partes vai até o fim do ano que vem. A desavença é tamanha que o técnico Rogério Ceni entrou no 'fogo cruzado' ao usar roupas da Under Armour, antiga fornecedora são-paulina, no jogo contra o Juventude, em abril daquele ano, pela Copa do Brasil.

A última faísca ocorreu em março, quando torcedores, sócios e conselheiros reclamaram publicamente da Adidas ter ignorado o São Paulo em uma campanha que lançou uniformes inspirados em peças desenhadas nos anos 1990. O clube do Morumbi não apareceu no post que anuncia a coleção nas redes sociais, em que modelos vestem a camisa dos principais clubes e seleções atendidos pela multinacional alemã. E também não foi contemplado com uma camisa na coleção.

Entre selecionados e equipes europeias, somente três sul-americanos aparecem na campanha: Flamengo e a dupla argentina River Plate e Boca Juniors. Único tricampeão mundial do futebol brasileiro, o São Paulo foi completamente ignorado.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.