Futebol Quando o Corinthians vai melhorar? Sylvinho analisa e faz prognóstico: 'Resposta vem do campo'

Quando o Corinthians vai melhorar? Sylvinho analisa e faz prognóstico: 'Resposta vem do campo'

Treinador corintiano também falou sobre excesso de jogadas ofensivas pela direita: 'Todo time tem um lado mais forte'

Lance
Lance

Lance

Lance

Todo o torcedor do Corinthians está ansioso em saber quando o seu time engrenará. No entanto, nem mesmo o comandante da equipe, o técnico Sylvinho, tem essa resposta no momento.

- Não tem resposta, vem do atleta, das conexões, dos jogos, das performances. O futebol é complexo. O cenário ideal que queremos é aproveitar as semanas de trabalho para evoluir e crescer, conquistar novos resultados. A resposta vem do campo, vem dos atletas – disse o técnico em entrevista coletiva virtual após o empate em 0 a 0 contra o Santos, na Vila Belmiro, no último domingo (8).

>> Baixe o novo app de resultados do L!
>> Confira a tabela do Brasileirão e simule os próximos jogos

Em 15 jogos pelo Campeonato Brasileiro, que teve a estreia do clube coincidindo com o primeiro jogo do atual treinador, o Time do Povo segue oscilando. Com apenas quatro vitórias, além de cinco empates e seis derrotas, o Timão tem aproveitamento de apenas 40% e é o 12º colocado, mesmo focado apenas no Brasileirão.

Se somarmos os dois duelos da terceira fase da Copa do Brasil, contra o Atlético-GO, que o Corinthians já estava sob a batuta de Sylvinho, e foi eliminado, o retrospecto cai mais um pouco, indo para 37,2%, com quatro vitórias, seis empates e sete derrotas, em 17 partidas.

Ainda assim, há expectativa de que o Corinthians evolua nas próximos jogos, principalmente com a chegada de dois novos reforços: Giuliano, que estreou contra o Peixe, no último fim de semana, e Renato Augusto, que se condiciona fisicamente.

- Muitas vezes o atleta vem de período de pré-temporada, está fora ou inativo por algum tempo. Vamos colocar para jogar. Aconteceu com o Giuliano hoje. Vai acontecer com o Renato em breve. Não sabemos quanto e nem tem como responder se serão 60 minutos, 65 ou 70 – destacou Sylvinho.

Trunfo no lado direito

Enquanto isso, o Timão segue com repertório limitado, explorando excessivamente as jogadas pelo lado direito ofensivo, a maioria delas com o atacante Gustavo Mosquito.

Contra o Santos, as melhores chances de gol foram corintianas. Inclusive, com o Time do Povo indo às redes, no início do segundo tempo, com uma jogada pelo lado destro do gramado, após Mosquito receber uma bola pelo setor e servir Jô, na entrada da pequena área, para empurrar para a rede. No entanto, Gustavo estava em posição irregular e o tento foi anulado pela arbitragem de vídeo.

Além desse momento, o Corinthians teve duas chegadas importantes pela direita no primeiro tempo, uma com Giuliano deixando Mosquito na cara do gol, e o camisa 19 parando no goleiro santista João Paulo, e a segunda em um chute de longa distância de Fagner, que novamente parou no arqueiro do Peixe.

Do lado oposto, o Time do Povo teve dois grandes momentos: na etapa inicial, com Adson dando bom passe para Jô, que parou em João Paulo, e na complementar, quando Adson e Mosquito invertem as posições, e Gustavo sofre um pênalti, inicialmente marcado pelo árbitro Flávio Rodrigues de Souza, mas corrigido pelo VAR.

- Lado direito tem funcionado, boa conexão. Estamos buscando as saídas e soluções pela esquerda, não somente com atletas, mas com opções táticas. É um processo grande de construção. O pênalti foi pelo lado esquerdo, no Gustavo (Mosquito). A vantagem do Adson é que pidem trocar de lado, ficar com o é trocado, o que a outra característica para o jogo. Perde, às vezes, a profundidade, mas ganha em bolas internas, entre linhas. Vamos seguir trabalhando com saídas por dentro, pelo lado esquerdo. Todo time tem um lado mais forte que funciona – explicou o treinador corintiano.

Além do retrospecto negativo e da falta de repertório ofensivo, os triunfos corintianos até aqui, pelo Brasileirão, foram pouco convincentes, já que foi justamente contra times que ocupam as seis últimas posições da tabela (Sport, América-MG, Cuiabá e Chapecoense), sendo três integrantes da zona do rebaixamento.

Últimas