Futebol Presidente do Conselho do Corinthians propõe venda de ingressos para jogo fictício na Arena

Presidente do Conselho do Corinthians propõe venda de ingressos para jogo fictício na Arena

Antonio Goulart enviou carta ao presidente Andrés Sanchez sugerindo a ideia para arrecadar fundos para doações e para o clube. Ingressos variariam entre R$ 5 e R$ 200

Lance
Lance

Lance

Lance

No último domingo, o presidente do Conselho Deliberativo do Corinthians, Antonio Goulart, enviou a Andrés Sanchez uma carta com uma proposta para arrecadar dinheiro para famílias atingidas pela pandemia de coronavírus e para os cofres do clube durante este período: realizar um jogo fictício na Arena, sem jogadores e sem torcida, mas com venda de ingressos. A informação foi publicada primeiramente pelo GloboEsporte.com e confirmada pelo LANCE!.

Segundo o documento divulgado pelo GE, Antonio Goulart chama o evento de "O jogo da vida" e propõe entradas com valores entre R$ 5 e R$ 200, mas sem data definida. Segundo o dirigente, seria "a maior invasão de todos os tempos". Confira na íntegra o que diz o texto enviado para Andrés Sanchez:

"A Fiel será desafiada a superar todos os seus recordes. A maior invasão de todos os tempos para um jogo fictício que jamais vai acontecer.

- Quem adquirir um ingresso, vai receber um ingresso com os dados da partida.
- Os torcedores que comprarem ingressos teriam seus nomes impressos em uma revista específica desse evento,

O Corona (coronavírus) vai passar, a história do Corinthians, não!"

Segundo apurou o LANCE!, a ideia tem adesão de boa parte dos conselheiros e será analisada pelo presidente Andrés Sanchez, no entanto há o temor de que o engajamento não seja o esperado, pois o país passa por uma crise financeira e muitas pessoas evitariam gastos como esse, ou ainda que tenham dinheiro, podem estar contribuindo com outros projetos sociais fora do clube.

O Corinthians enfrenta dificuldades financeiras e, assim como outros clubes, tem sido ainda mais prejudicado pela paralisação das competições em decorrência da pandemia de coronavírus e a consequente falta de receitas, que viriam da TV detentora dos direitos e da bilheteria dos jogos estão suspensos.

Últimas