PM do Rio vai apurar se houve excessos de policiais no desfile do Fla

Desfile de quase quatro horas do elenco rubro-negro pelas ruas do Centro do Rio de Janeiro após conquista da Libertadores terminaram em tumulto generalizado e confrontos

Lance

Lance

Lance

A Polícia Militar do Rio de Janeiro resolveu abrir uma sindicância para investigar se houve excesso de uso de força e violência por policiais, durante os tumultos ocorridos no desfile da equipe pelas ruas do Centro da cidade, na festa de comemoração pelo título da Libertadores.

O elenco rubro-negro desfilava em carro aberto pela Avenida Presidente Vargas, por voltas das 16h de domingo, quando se instalou uma confusão generalizada. A PM precisou usar bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar a multidão.

Segundo relatos de testemunhas, algumas pessoas atiraram pedras nos policiais, que com o uso dos cassetetes e apontando pistolas e fuzis para o público, composto por crianças e famílias. Alguns torcedores passaram mal com durante os episódios.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento que um carro da prefeitura atropelou um guarda-municipal de ré. O agente não sofreu ferimentos graves. Dois pontos de ônibus foram destruídos e 23 foram levadas para os hospitais.

O porta-voz da PM, coronel Mauro Fliess, garantiu que eventuais excessos vão ser devidamente punidos.

– As armas empregadas foram a de menor potencial ofensivo, gás lacrimogênio e spray de pimenta. No entanto, o policial militar dispõe do seu armamento e pode usá-lo em uma abordagem, caso ele se sinta ameaçado, caso tenha ocorrido algum excesso, ele irá responder por isso – disse o coronel.

Fliess também negou que a corporação tenha mudado o trajeto do trio elétrico dos atletas, de última hora. Segundo ele, a PM já planeja um esquema de segurança semelhante, em caso de vitória do Flamengo no Mundial de Clubes, em dezembro.

– Estaremos sempre revendo nossos posicionamentos para que a festa seja de fato uma festa. Se o Flamengo for campeão mundial, teremos que proporcionar a segurança de uma grande festa. Espero que da próxima vez não haja efeitos tão danosos como os de domingo – completou o porta-voz.