Futebol Pedro Abad é suspenso por 30 dias pelo TJD-RJ; Flu é mantido no Carioca

Pedro Abad é suspenso por 30 dias pelo TJD-RJ; Flu é mantido no Carioca

Presidente do Fluminense foi punido pela declarações antes da final da Taça Guanbara, onde teria chamado os torcedores "para a guerra". Clube poderia ter sido expulso do torneio

Lance
Lance

Lance

Lance

O presidente Pedro Abad, do Fluminense, está suspenso por 30 dias após julgamento nesta terça-feira, no TJD-RJ. Na ocasião, o mandatário foi punido pelas declarações onde chamou os torcedores "para a guerra" antes da final da Taça Guanabara, contra o Vasco. O clube poderia ser expulso do Campeonato Carioca, mas a denuncia foi retirada de pauta e houve multa de R$ 50 mil e R$ 10 mil. Ainda há como recorrer.

O Fluminense foi denunciado no artigo 231 por ter ido à Justiça comum antes de encerrar os recursos na desportivo na briga pelo setor sul do Maracanã. As penas apresentadas eram de multa e exclusão do clube do Campeonato Carioca. No entanto, a procuraria retirou o processo de pauta.

Já Pedro Abad foi denunciado no artigo artigos 243-D, por "incitar publicamente o ódio ou a violência" e 258, por "assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva", ao convocar torcedores "para a guerra" na decisão da Taça Guanabara.

Rafael Lira, relator do processo, declarou que não houve incitação à violência nos termos usados pelo presidente, mas, sim, irresponsabilidade por parte de Abad. Com isso, votou por 30 dias de suspensão. Ao Fluminense, declarou multa de R$ 10 mil, previsto pelo artigo 258-D, e aplicação de R$ 50 mil pelo artigo 191, inciso 3.

O auditor Leonardo Lemos votou pedindo 60 dias de suspensão para Pedro Abad, acompanhando o voto do relator com pena de R$ 50 mil no artigo 191, e R$ 10 mil no 258-D. O também auditor Rodrigo Borges acompanhou a decisão inicial e aplicou 60 dias de suspensão ao presidente. Julião de Melo também acompanhou o voto do relator.

ENTENDA O CASO

Na ocasião, Abad declarou ser contra a realização do jogo nos moldes que estavam em andamento, mas garantiu que o Tricolor jogaria a partida e convocou os torcedores tricolores à "guerra", no sentido de lotar o setor norte para apoiar o time.

- O Fluminense não concorda em nada com a organização desse jogo. Não concordamos com isso. Mas quero chamar nosso torcedor para a guerra amanhã. Quero dizer que nossos jogadores estão treinando até 1h30 da tarde, em um sol escaldante, estão se matando de treinar. E temos que ganhar o jogo amanhã. Nós vamos ganhar. Vamos para dentro. O time precisa do torcedor. Eu quero que vocês lotem aquele setor que não é o nosso (norte), que não é ali que é o nosso lugar. Mas o time é mais importante do que essa questão amanhã. Vamos lá para guerrear, para batalhar - declarou, mas explicou o sentido da palavra pouco depois:

- A guerra é dentro do campo. Nosso clube é o time de guerreiros. Falo de guerra saudável. Não estou pedindo ao nosso torcedor para brigar com ninguém, muito pelo contrário. Quero um ambiente pacífico, com foco dentro das quatro linhas.

Últimas