Futebol Participativo, Rogério Ceni conta com auxílio de Juan em sua primeira vez na área técnica do Flamengo

Participativo, Rogério Ceni conta com auxílio de Juan em sua primeira vez na área técnica do Flamengo

Treinador estreou no comando do Rubro-Negro, nesta quarta, com revés para o São Paulo

Lance
Lance

Lance

Lance

No confronto entre Flamengo e São Paulo, pelas quartas de final da Copa do Brasil, parte dos holofotes estiveram voltados para a área técnica do Rubro-Negro. Afinal, Rogério Ceni fazia sua estreia como treinador do clube. Inquieto, Ceni foi reflexo de uma equipe mais agressiva na marcação em relação à maneira que estava atuando sob o comando do antecessor Doménec Torrent, em especial no primeiro tempo. A derrota por 2 a 1, com gol no fim em falha do jovem goleiro Hugo Souza, deixa o sentimento de frustração ao novo treinador.

Antes da bola rolar, já foi possível observar que Rogério Ceni aproveitaria cada momento para orientar os atletas. Conversou ao pé do ouvido com Thiago Maia e Arrascaeta, que começaram como opções no banco de reservas, por exemplo. As orientações dadas ao meia uruguaio continuaram durante o primeiro tempo, e o camisa 14 foi acionado pelo técnico na volta do intervalo.

JUAN AUXILIA O TREINADOR

Assim que a bola rolou, Rogério Ceni aproveitou cada pausa no jogo para passar novas instruções aos jogadores. Diego Alves, Gerson e Matheuzinho foram atletas que se aproximaram da área técnica para ouvir de perto o que o novo comandante tinha a dizer. Uma novidade foi a presença de Juan, ex-zagueiro e integrante do departamento de futebol do Flamengo, no banco de reserva, o que não acontecia com Dome Torrent, tampouco com Jorge Jesus.

Por vezes, Juan foi à beira do gramado e conversou com Rogério Ceni. O auxiliar Charles Hempert também cumpriu esse papel durante o confronto.

Com o gol sofrido logo no início do segundo tempo, e a resposta imediata com o empate marcado no minuto seguinte, Rogério Ceni pouco celebrou o gol de Gabriel Barbosa. O treinador mostrava preocupação com o posicionamento do meio de campo. Até por isso, trocou o camisa 9 por Thiago Maia. O atacante também voltou ao time titular após recuperar-se de lesão no tornozelo direito.

Com as cãibras de Diego Alves, Rogério Ceni precisou acionar Hugo Souza. Jovem, o goleiro queria logo entrar em campo, mas o treinador, especialista da posição, pediu calma ao camisa 45, que, assim, aqueceu por alguns minutos com o preparador Wagner Miranda antes de, enfim, entrar em campo. Após o erro do goleiro, que determinou a derrota por 2 a 1, Hugo foi imediatamente procurado por Rogério Ceni, que deu seu apoio ao garoto do ao apito final.

Últimas