Jorge Jesus elogia elenco do Flamengo e fala sobre renovação: 'Minha vontade é continuar'

O Mister concedeu sua primeira entrevista no Brasil desde que chegou ao país nesta segunda-feira à Fox Sports

Lance

Lance

Lance

Depois de quase um ano sem falar com a imprensa brasileira, o treinador Jorge Jesus aceitou o convite da 'Fox Sports' e foi o convidado especial do programa 'Jogo Sagrado'. Em meio ao processo de renovação com o Flamengo, já que seu contrato chega ao fim no meio do ano, o português falou sobre muitas coisas, inclusive as tratativas para sua permanência.

Questionado sobre as negociações de contrato, o treinador revelou que as conversas já conversaram e seu representante já se reuniu com a diretoria rubro-negra, mas afirmou que prefere falar quando tudo estiver resolvido.

- A pessoa que me trouxe ao Brasil, junto com o Flamengo e eu, já esteve na outra semana no Brasil e teve algumas reuniões com pessoas ligadas ao Flamengo. Eu que sou a pessoa interessada estava presente, mas eu não quero (falar sobre). Como tenho muitos anos não quis e nem quero. Quero falar quando as coisas estiverem praticamente definidas. Portanto, as coisas estão nesse ponto. Acho que vai se resolver -, afirmou.

O Mister também aproveitou para revelar como foram os contatos iniciais com a diretoria do Flamengo para selar sua chegada ao Rubro-Negro, e afirmou que Marcos Braz, vice-presidente de futebol do clube, foi muito importante durante o processo. Além disso, Jesus revelou que já assistia o Campeonato Brasileiro de Portugal e que, mesmo lá, já via o Flamego como um grande time.

- Ele (Marcos Braz) esteve comigo um dia antes da final da Champions. Fizeram uma primeira abordagem e no outro dia eu fui para Madrid, onde estava o presidente e mais um dirigente do Flamengo. Nessa conversa, os quatro chegamos a um acordo fácil, porque eu também queria. Foi fácil. O Marcos Braz foi a pessoa que me ligou, me indicou e me forneceu ideias (do que era o Flamengo). Claro que eu sabia o que era o Flamengo, mas não sabia o que era o Flamengo por dentro. Me garantiu toda uma segurança de trabalho, uma estrutura.

Como era uma equipe que eu já estava habituado a ver jogar, o Flamengo, porque eu via muito um canal brasileiro, PFC, via todos os jogos do Campeonato Brasileiro. Lá fora eles costumam transmitir um pouco de cada jogo e eu já assistia, e eu já via que o Flamengo tinha um grande time -, revelou.

A imprensa portuguesa repercutiu um possível acerto do treinador Jorge Jesus com o Benfica, mas o boato foi prontamente desmentido pelo Mister. O comandante ainda deu a entender que se fosse para acertar com um clube português, este seria o Porto, já que ele já treinou Benfica, Sporting e Braga.

- Totalmente mentira. Não tem uma ponta de verdade. Todos os anos o meu nome é associado, quando as coisas estão mal no Benfica, no Sporting, falam sempre no meu nome. Claro que eu vou voltar à Portugal, não sei quando, mas eu vou voltar à Portugal porque esse é o meu projeto esportivo. Para voltar à Portugal, só falta um time (Porto), como já treinei os outros dois grandes (Benfica e Sporting). Quer dizer, dois não porque hoje o Braga é uma grande equipe também. Pode ser que o meu pensamento mude daqui a dois, três ou seis meses -, afirmou.

Jorge Jesus também falou sobre a saudade de sua família, que está em Portugal, revelando que esta é a única coisa que pode lhe tirar do Flamengo.

- Pode. Pode. É a única coisa que pode me tirar do Flamengo. É a única coisa. A minha paixão pelo jogo é tanta que as vezes eu até me esqueço, mas quando eu estou mais sozinho, eu penso. Eu nunca pensei em sair de Portugal. Eu fui para a Arábia Saudita pelo momento trágico da equipe que eu estava trabalhando, o Sporting com aquelas invasões que repercutiu mundialmente. Apareceu uma oportunidade de ir para a Arábia e eu fui -, revelou.

Por fim, o comandante Rubro-Negro elogiou novamente o elenco do Flamengo, classificou os jogadores como fantásticos e afirmou que pretende ficar no comando do clube.

- Eu falo pelo grupo. Este grupo que me aceitou muito bem, aceitaram bem as minhas maluquices. É importante os jogadores aceitarem as vezes algumas coisas que os treinadores tem, e eles aceitaram sempre a minha forma de lidar. Eles também sempre acreditaram muito no projeto e os acho muito profissionais. Eu sei que este grupo do Flamengo, estes jogadores são fantásticos e eles vão ter muita influência na minha renovação de contrato, muita influência. Eles estão constantemente perguntando. Agora os diretores do Flamengo vão ver o que vão fazer, porque a minha vontade é continuar -, finalizou.

Confira outras respostas de Jorge Jesus:

Sobre as conversas com Vasco e Atlético-MG antes da proposta do Flamengo

- Primeiro foi o Vasco, pela pessoa do Alexandre, que era o secretário técnico e o presidente (Campello), com quem eu falei algumas vezes. Conversamos, e não direi que era impossível da minha parte, mas não havia muita noção de quais eram os meus números salariais em Portugal. Depois houve a possibilidade do Atlético Mineiro. Um agente meu falou dessa possibilidade. Eles quiseram que eu fosse ver um jogo, que curiosamente foi justamente Atlético contra o Flamengo. Jantei em casa, não do presidente, mas da pessoa responsável dona do banco BMG (Ricardo Guimarães) onde conversamos, foram extremamente simpáticos e eu nunca vou esquecer da forma como eles me receberam, mas não era isso que eu queria. Eu tenho outras perspectivas esportivas. Se viesse para o Brasil, sem querer ofender ninguém, mas que se fosse para uma equipe que me desse condição de brigar por títulos -, afirmou.

Sobre a importância da recepção do elenco em sua adaptação

- Foi muito importante. Quando eu cheguei ao Flamengo, os jogadores não conheciam minhas características de trabalho, mas já conheciam as minhas características como pessoa, minhas exigências. Eu falo muito alto, eu vejo muitos treinos e jogos, então sempre estou querendo corrigir as coisas e tenho uma forma expressiva e as vezes até agressiva do ponto de vista da comunicação com os jogadores que trabalham comigo. Quando eu cheguei já estavam todos preparados para eles me aceitarem, pela forma de me comunicar e como agir. Acho que esse foi o pontapé certo para que as coisas começassem em ordem -

Sobre a importância de vencer títulos

- Quando eu vim para o Flamengo, minhas primeiras palavras foram que eu já sabia que o Flamengo era um dos maiores clubes do mundo pelos seus torcedores e continuo a dizer isto. Não era um nível alto por conta de títulos, pois se você não ganha títulos, nem clube, nem jogadores nem treinador não são valorizados. Para um grande clube ser uma grande instituição precisa ganhar títulos e ganhar títulos internacionais, não só nacionais. Eu senti que eu vim para o clube certo do ponto de vista de ter essas garantias.

O Flamengo sairia perdendo com uma saída de Jorge Jesus?

- O clube nunca perde, nunca. Pode passar o treinador que for, os clubes vão se manter. Podem passar jogadores, treinadores, presidente, mas o clube, nesse caso o Flamengo, é sempre a maior das partes. Portanto, o clube nunca vai perder -, afirmou.

Qual clube europeu pode lhe tirar do Flamengo?

- Qual é o clube da Europa que pode me tirar daqui que possa ser maior que o Flamengo? Não há muitos, acho que não há nenhum. Esportivamente, Barcelona e Real Madrid, mas não há muitos. Nesse momento há coisas mais importantes -