Futebol "Jogadores que participarem da Superliga ficarão de fora da Eurocopa e do Mundial", diz presidente da UEFA

"Jogadores que participarem da Superliga ficarão de fora da Eurocopa e do Mundial", diz presidente da UEFA

Em entrevista a um jornal europeu, Aleksander Ceferin fez duras críticas à criação da competição e aos clubes envolvidos. Entenda o caso

Lance
Lance

Lance

Lance

O presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, foi incisivo sobre a criação da Superliga Europeia, criticou os clubes envolvidos e ainda afirmou que os jogadores que participarem do torneio podem ser impedidos de representar suas seleções nacionais. As informações são do jornal português "A Bola".


- Os jogadores que participarem dessa competição não poderão representar a seleção e nem participar de campeonatos Europeus e Mundiais. Todas as confederações estão de acordo nisso, temos do nosso lado as federações inglesa, espanhola, italiana e a FIFA - disparou o presidente Ceferin.


Além disso, também nessa segunda-feira (19), a UEFA anunciou uma mudança no formato da Liga dos Campeões, que agora passará a ter 36 equipes.

- Preparámos uma Liga dos Campeões moderna e atrativa, na qual todos podem participar e ganhar - declarou o presidente da UEFA sobre a decisão.

Mesmo assim, ele ainda voltou a criticar a criação da Superliga.

- A classificação para as competições europeias deve teve como base o mérito e que todos possam competir contra todos. Todos estamos contra este movimento - afirmou.

Quando questionado sobre a ligação da criação do torneio com a pandemia de COVID-19, como alguns dirigentes de clubes envolvidos já haviam declarado, ele negou.

- Esta ideia não é de agora, já tem uns anos, não tem nada a ver com a Covid-19. Foi sendo cozinhada por pessoas como Florentino Pérez (presidente do Real Madrid) e Andrea Agnelli (presidente da Juventus). Isso tem a ver com a ganância de alguns. Confio nos clubes de França e Alemanha, que resistiram a esta tentação. Nem todo o futebol é corrupto - respondeu Ceferin.

O dirigente ainda garantiu que a Champions League poderá avançar sem os 12 clubes envolvidos: Milan, Inter de Milão, Juventus, Arsenal, Liverpool, Chelsea, Manchester City, Manchester United, Tottenham, Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid.

- Há muitos clubes bons na Europa. Vamos fazer a Liga dos Campeões com ou sem eles - finalizou.

ENTENDA A SUPERLIGA

Até o momento, os participantes da nova Liga são Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United e Tottenham, pelo Big Six inglês. Na Espanha, Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid fazem parte da cúpula. Pela Itália, Inter de Milão, Juventus e Milan concluem o grupo. Outros três clubes são aguardados para dar início ao torneio.

O molde do torneio giraria em torno de 20 clubes, dentre os quais 15 são os fundadores. As partidas ocorreriam nos meios de semana e as equipes seguiriam participando de seus campeonatos nacionais, conforme o calendário tradicional. Em um modelo parecido com o da NBA, os grupos seriam divididos em dois, cada um com 10 integrantes, dentre os quais três avançariam diretamente às quartas de final.

Os clubes que terminarem a primeira fase em quarto e quinto de seus grupos, disputarão entre si, em dois jogos, quem assume as vagas restantes. Assim como na Liga dos Campeões, os confrontos pela fase inicial e playoffs seriam de ida e volta. A final, todavia, será disputada em jogo único e local neutro.

Segundo o comunicado emitido pela organização da Superliga, a ideia central é elevar o patamar do futebol europeu.

- Proporcionará um crescimento econômico significantemente maior e apoio ao futebol europeu por meio de um compromisso de longo prazo com pagamentos de solidariedade ilimitados que crescerão de acordo com as receitas da Superliga - afirmou o comunicado da Superliga

- Estes pagamentos de solidariedade serão substancialmente mais elevados do que os gerados pela atual competição europeia e deverão ser superiores a € 10 bilhões durante o período de compromisso inicial dos clubes - concluiu.

Ainda sobre pagamentos, a Superliga prometeu uma base financeira por volta de € 3,5 bilhões para os clubes fundadores compensarem os prejuízos pela pandemia da Covid-19 e melhorarem suas infraestruturas. Caso o valor se confirme, seria superior aos pagos pela Uefa em todas suas competições (Liga dos Campeões, Liga Europa e Supercopa Europeia).

Já Andrea Agnelli, vice-presidente da organização, e presidente da Juventus, afirmou que a Superliga aumentaria a solidariedade entre os clubes, e tornaria o esporte mais atraente para os fãs.

- Nossos 12 clubes fundadores representam bilhões de fãs em todo o mundo e 99 troféus europeus. Nós nos reunimos nesse momento crítico permitindo que a competição europeia se transformasse, colocando o jogo que amamos numa base sustentável para o futuro a longo prazo, aumentando substancialmente a solidariedade e dando aos torcedores e jogadores amadores um fluxo regular de jogos de destaque que irão alimentar a sua paixão pelo jogo e, ao mesmo tempo, fornecer a eles um modelo atraente - disse o italiano.

Últimas