Futebol Jogador brasileiro que joga na Suécia conta como vive o país que ignorou a Covid-19

Jogador brasileiro que joga na Suécia conta como vive o país que ignorou a Covid-19

Anderson Ponciano aponta a falta de rigidez do governo suéco e grande quantidade de estrangeiros como principais fatores para o aumento de casos no país

Lance
Lance

Lance

Lance

Há mais de dez anos jogando futebol profissionalmente na Suécia, o brasileiro Anderson Ponciano tem se surpreendido com as medidas adotadas pelo governo do país para lidar com a pandemia da Covid-19. Na contramão do mundo, o país tem preferido manter o funcionamento do comércio e das atividades normalmente e apostar no bom senso da população para evitar a propagação do vírus.

Veja a tabela do Inglês

- Aqui sempre existiu muitas regras e o governo confia que a população siga todas elas. Houve muita crítica no começo da pandemia, mas as coisas estavam indo bem, até vir a segunda onda e mudar tudo - relembra.

- Um fator que prejudicou as medidas adotadas pelo governo foi o fato de ter muitos estrangeiros que não seguiam as regras do modo como os suecos seguiam - afirma.

O jogador do United IK, time que vai disputar a segunda divisão do campeonato sueco neste ano, conta que no começo da pandemia a regra imposta pelo governo era de 500 pessoas reunidas em locais públicos, mas depois o número foi reduzido para 50, depois para oito, e agora é permitido apenas quatro pessoas juntas. “Bebida alcoólica também não pode ser servida em lugares públicos depois das 20h”, conta.

- O governo fala que as escolas serão os últimos locais a serem fechados - comenta.

Apesar de quase tudo estar em funcionamento, o número de mortes e casos no país não para de subir. Até o começo desta semana o governo contabilizou 657.307 infectados e 12.826 mortes pela doença desde o começo da pandemia.

- O uso de máscara é uma recomendação, e não uma regra. Para mim, as pessoas estão agindo de maneira muito normal, tendo em vista que é uma pandemia e muita gente já morreu - finaliza.

Últimas