Fluminense adota medidas para diminuir prejuízos durante pandemia

Tricolor tem adotado medidas internas que visam garantir o recebimento de salários por funcionários que ganham menos e tenta acordos judiciais para evitar perda de receitas

Lance

Lance

Lance

A pandemia do COVID-19 tem causado apreensão entre muitos clubes brasileiros no que diz respeito às finanças. Para amenizar os prejuízos decorrentes da paralisação do futebol e da diminuição da entrada de recursos, o Fluminense tem adotado algumas medidas emergenciais como a diminuição dos salários entre dirigentes e a tentativa de ganhar tempo em processos judiciais.

Na última sexta-feira, o Tricolor comunicou a iniciativa de dirigentes do departamento de futebol e de outras áreas de abrir mão de 15% dos salários. O objetivo foi garantir o pagamento dos funcionários do clube com vencimentos mais baixos.

A Comissão técnica também agiu e organizou a doação de cestas básicas para os funcionários do CT Carlos José Castilho, fechado desde o dia 16 de março.

Em outra vertente, o Departamento Jurídico também age nos bastidores para evitar danos decorrentes de penhoras judiciais por dívidas antigas e tenta acordos ou o adiamento da transferência forçada dos valores.

Desde que assumiu a presidência do clube, em meados de 2019, o presidente Mário Bittencourt luta para regularizar as finanças do clube das Laranjeiras e para quitar dívidas pendentes.

O Campeonato Carioca e todas as demais competições nacionais foram suspensas por tempo indeterminado em razão da pandemia do COVID-19. Não há previsão de retomada das atividades. Com isso fontes de recursos importantes como bilheteria, cotas de TV, programa sócio-torcedor e outras ficam prejudicadas.