#Flu118: Fluminense faz aniversário em meio à reconstrução financeira e luta contra a COVID-19

Clube foi um dos principais atores na discussão contra o retorno do Campeonato Carioca; diferentemente dos outros anos, Flu não poderá promover festa de comemoração

Lance

Lance

Lance

Diferentemente do que acontece em todos os anos, o dia 21 de julho será de um novo tipo de comemoração para o Fluminense. Há 118 anos, o clube era fundado e, se no ano passado a celebração veio com uma programação especial junto aos torcedores com a tradicional "Flu Fest" nas Laranjeiras, desta vez o procedimento precisará ser diferente. Em meio à pandemia da COVID-19, o Tricolor segue com as atividades da sede social até o dia 31 de julho.

Orgulhoso por ser um dos protagonistas na luta pela cautela com relação ao retorno do futebol e das atividades no meio da pandemia, o Fluminense ainda não anunciou ações para o aniversário. O clube lançará o livro "Time De Guerreiros - A Epopeia do Tri", que já está em pré-venda na loja oficial. Através das redes sociais, o Flu afirmou que fará uma "Flu Fest" especial, mas ainda não divulgou maiores detalhes.

Além disso, o Fluminense está promovendo uma promoção durante o mês de aniversário em que não há cobrança da taxa de adesão de R$30 nos planos de Sócio Futebol. Já os novos associados do clube na categoria Contribuinte ficam isentos do pagamento da joia, nos valor de R$ 256,37 para sócios acima de 18 anos, R$ 127,49 para contribuintes entre 15 e 17 anos e R$ 127,49 para crianças entre 7 e 14 anos.

Essa ação tem a intenção de, junto a uma campanha voluntária da torcida, aumentar o quadro de sócios adimplentes do clube. Atualmente, esse número é de pouco mais de 33.300 pessoas. A meta da ação #ÉPeloFlu era alcançar os 36 mil sócios-torcedores até esta terça-feira.

Sede por títulos e crise financeira

O último título de expressão conquistado pelo Fluminense foi o Campeonato Brasileiro de 2012, quando o clube sagrou-se tetracampeão. Desde então, o Flu entrou em anos cada vez mais complicados financeiramente. O clube até acrescentou a Primeira Liga em 2016, a Taça Guanabara em 2017 e duas conquistas da Taça Rio, em 2018 e neste ano de 2020, à lista. No entanto, ainda não reencontrou o protagonismo no cenário nacional.

Uma das grandes justificativas para esse cenário está nos cofres. Em 2019, o clube fechou a temporada no vermelho pelo quarto ano seguido e apresentou déficit de R$ 9,3 milhões. Ao longo do ano passado, inclusive, o Flu viveu bastidores agitados politicamente, quando o então presidente Pedro Abad pediu a antecipação das eleições. Em junho, Mário Bittencourt acabou eleito.

Quando a atual diretoria assumiu, o clube tinha quatro meses de salários atrasados e cinco de imagem com os jogadores. Atualmente, os meses de maio e junho estão em aberto. Na imagem, o Fluminense deve janeiro, 50% de fevereiro, maio e junho. Portanto, a direção já pagou mais meses do que teve enquanto gestora.

#NósSomosAHistória

Fundado por Oscar Cox em 1902, o Fluminense surgiu do desejo de em disseminar a paixão pelo futebol no Rio de Janeiro. As cores, que inicialmente eram cinza e branco, foram substituídas dois anos depois pelo tradicional verde, branco e grená. O clube tricolor foi responsável por construir o primeiro estádio de cimento da América Latina, o Estádio de Laranjeiras, sede do Campeonato Sul-Americano de Seleções (atual Copa América) e dos Jogos Olímpicos Latino-Americanos (atualmente Jogos Pan-Americanos). Além disso, foi palco do primeiro título relevante da Seleção Brasileira.

Desde Cox, o Flu coleciona uma lista extensa de ídolos na história. Preguinho, autor do primeiro gol da Seleção Brasileira em Copas do Mundo, Castilho, Fred, Assis, Rivellino, Telê Santana, Romerito, Waldo, Darío Conca, Washington, Didi, Carlos Alberto Torres, Gerson, Pinheiro, Gum, Branco, Ézio, Renato Gaúcho, Deco entre outros, já fizeram a alegria da torcida nesses 118 anos.

Nas redes sociais, o clube utiliza a hashtag #NósSomosAHistória exatamente para exaltar os feitos ao longo dos anos.