Futebol Flu soma prejuízos no Maracanã e quer se recuperar com Ganso

Flu soma prejuízos no Maracanã e quer se recuperar com Ganso

Tricolor aposta que, após a chegada do meia, clube terá mais arrecadação com o sócio-torcedor e mais público no estádio

fluminense, ganso, maracanã

Ganso deve estrear pelo Flu no próximo dia 22

Ganso deve estrear pelo Flu no próximo dia 22

Lance

Os altos custos do Maracanã e do Campeonato Carioca já refletiram em todos os clubes do Rio de Janeiro nesse início de temporada. Com problemas desde 2018 por conta dos prejuízos no estádio, o Fluminense é uma das equipes que seguem acumulando dívidas em 2019. E esse número já chega a altas cifras, causando a revolta de torcedores e críticas à administração do local.

Veja mais: Ganso chega e é recebido com festa da torcida do Flu no aeroporto



Até o momento, o saldo do Flu é de um déficit de R$ 595.834,59, valor que poderia ser maior se não fosse a cota fixa recebida pelo Tricolor no clássico contra o Vasco, vendido pelos rivais para o Mané Garrincha, em Brasília. Se considerados os números apenas como mandante, os números chegam a R$ 845.834,59.

Se somarmos os valores dos quatro clubes grandes do Rio de Janeiro, o lucro total é de R$ 531.374,28, enquanto o prejuízo chega a incríveis R$ 1.967.801,44. Fato é que algumas receitas que diminuem esses valores, como sócio-torcedor, que paga antecipado, e receita de bares, por exemplo, não entram nos borderôs divulgados pela Ferj após todas as rodadas.

Com a chegada de Paulo Henrique Ganso, a ideia do Fluminense é alavancar ainda mais o sócio-torcedor e também levar mais pessoas ao estádio, diminuindo o impacto dos altos custos operacionais do Maracanã. A expectativa é que o meia faça sua estreia pelo Tricolor no dia 22 de fevereiro, contra o Bangu, fora de casa. Em duelo pela estreia na Taça Rio. O primeiro jogo no Maraca seria em 1º de março, contra o Resende.

A chegada do reforço, inclusive, fez com que a crise financeira vivida pelo clube ficasse em segundo plano agora. A mudança no ambiente do Flu deixou alguns temas como as novas eleições e salários atrasados com um peso diferente nesse primeiro momento.



Em nota enviada à imprensa na última semana, a concessionária do Maracanã se defendeu e explicou os custos operacionais para a realização de jogos no local. Entre os tópicos, os administradores argumentaram que "a única remuneração da concessionária que administra o Maracanã é de R$ 120 mil por partida e R$ 150 mil nos clássicos" e que essas quantias não cobrem todos os gastos necessários para manter o estádio anualmente.

Veja a nota do Maracanã:

. É preciso diferenciar o que é o custo de uma partida e o que é despendido para a manutenção do estádio estar sempre seguro, atualizado e confortável para os torcedores do primeiro ao último jogo da temporada.

. A operação e o custo das partidas, desde 2017, está sob a responsabilidade dos clubes, que negociam diretamente com os fornecedores. A operação dá conta de despesas que existem em todo e qualquer estádio do mundo, como água, energia, seguranças, orientadores e funcionários de limpeza, por exemplo.

. É importante ressaltar que parte significativa desses custos dizem respeito à segurança dos torcedores. No último jogo, entre Flamengo e Cabofriense, no dia 3/02/19, foram mais de 475 seguranças privados que, somados aos policiais do BEPE, formaram um efetivo de 695 pessoas.


. As contas públicas (água, energia e gás) são medidas somente para o período da partida. Ou seja, os clubes só pagam o que é consumido durante o jogo.

. Os clubes também são os responsáveis pela bilheteria e pela definição dos preços dos ingressos, que via de regra está atrelada aos respectivos programas sócio torcedor ou similares.

. As receitas provenientes destes programas de sócios torcedor ou similares não aparecem no borderô das partidas.

. As receitas dos times de futebol mandantes durante os jogos no estádio não se resumem apenas à bilheteria da partida. Pelos contratos estabelecidos entre o Maracanã e o clubes, estes recebem percentuais das receitas de alimentos e bebidas, bem como valores oriundos da venda de camarotes.

. Reiteramos que a única remuneração da concessionária que administra o Maracanã é de R$ 120 mil por partida e R$ 150 mil nos clássicos. Esses valores foram solicitados pelos clubes numa reunião realizada em 14 de janeiro na FERJ.

. É com este recurso que a empresa mantém o estádio sempre atualizado e com a manutenção em dia. Está no contrato de concessão, por exemplo, a correta amortização e depreciação dos equipamentos e espaços. Em linhas gerais significa que a concessionária deve trocar equipamentos que se depreciam ou quebram ao longo do tempo, como lona da cobertura, telões, subestações de energia, sistema de segurança, ar-condicionado, elevadores, catracas, cadeiras e outras dezenas de itens.

. As receitas obtidas pela concessionária por meio do aluguel do Maracanã nos jogos não cobrem todas as despesas necessárias para manter o estádio anualmente. É por esse motivo que o Maracanã viabiliza receitas por meio do conteúdo futebol, das dezenas de propriedades do estádio e também através do desenvolvimento do entorno do Maracanã.

. A simples leitura do borderô das partidas, portanto, mostra apenas parte dos recursos que são movimentados durante um jogo de futebol.

Veja a galeria: Negócio fechado! Veja as contratações do mercado da bola

    Access log