Futebol Filosofia de jogo e questão financeira: Por que o São Paulo escolheu Crespo como novo técnico da equipe

Filosofia de jogo e questão financeira: Por que o São Paulo escolheu Crespo como novo técnico da equipe

Argentino tem visão parecida com o antecessor, o que corrobora para uma linha de trabalho. Pedida salarial condizente com a realidade do clube também pesou 

Lance
Lance

Lance

Lance

O São Paulo acertou a chegada do técnico Hernán Crespo para comandar o clube até 2022. A escolha pelo argentino foi pautada por diversos fatores, mas o que mais pesou na decisão foi o estilo de jogo do treinador e também a sua pedida salarial.

Conforme o LANCE! publicou na semana passada, a filosofia de jogo de Crespo casa com o estilo que a diretoria do São Paulo busca no comando da equipe. Atual campeão da Sul-Americana, o técnico é conhecido por gostar do famoso 'perde-pressiona' e costuma usar as saídas de bola desde os seus zagueiros.

No entanto, Crespo costuma ter mais velocidade na transição e também mais segurança na defesa e na recomposição do setor defensivo. Essas foram algumas características que chamaram a atenção da diretoria do Tricolor. O espírito aguerrido também foi levado em conta.

- Time aguerrido, time de velocidade, time que pressiona o adversário. Tudo isso ele mostrou para a gente. Nós estamos felizes, o torcedor do São Paulo pensa assim sobre o futebol. Um time bastante competitivo, o São Paulo sempre foi competitivo, e isso procuramos com esse treinador – afirmou Muricy Ramalho, coordenador do clube.

Resta saber como Crespo montará o time do São Paulo na próxima temporada. A posição de pontas, com características de velocidade, pode ser a primeira em que o argentino peça reforços. O Tricolor tem uma deficiência no setor, que Fernando Diniz não conseguiu corrigir durante sua passagem.


Questão financeira também ajudou
O aspecto financeiro também foi um diferencial na escolha do técnico. O São Paulo realizou um processo seletivo com cerca de dez nomes, entre eles vários europeus e sul-americanos.

Antes de chegar em um acordo com Crespo, a diretoria conversou com o portugueses Marco Silva, Pedro Martins e André Villas-Boas. Os dois primeiros tinham pretensões profissionais de continuar na Europa, enquanto o ex-técnico do Olympique de Marselha pediu valores altos para a realidade do São Paulo.

Segundo apurado pelo LANCE!, o nome de Crespo já era considerado favorito por conhecer o mercado sul-americano e ter uma pedida salarial esperada, algo em torno de R$ 1 milhão, divididos entre o treinador e cinco profissionais na sua comissão técnica no São Paulo: o auxiliar Juan Branda, os preparadores físicos Alejandro Kohan e Gustavo Satto, o analista Tobías Kohan e o preparador de goleiros Gustavo Nepote.

Portanto, resta ao torcedor são-paulino aguardar com expectativas o começo da nova temporada, desta vez sob o comando de Hernán Crespo.

Últimas