Fifa propõe reduzir salário de atletas e veto a rescisão de contratos

Reunião por videoconferência entre órgãos discute medidas para reduzir impacto de paralisação de campeonatos em decorrência da pandemia de coronavírus

Lance

Lance

Lance

Uma reunião de três horas por videoconferência entre Fifa, Associação de Clubes Europeus (ECA) e Federação Internacional de Jogadores Profissionais (FIFPro) nesta quinta-feira, discutiu como amenizar o impacto da paralisação de competições devido à pandemia de coronavírus. De acordo com o jornal espanhol "Marca", a proposta de maior impacto é por uma redução considerável dos salários de jogadores.

A medida não seria linear, ou seja, não teria o mesmo impacto sobre todos os clubes e atletas envolvidos. Desta forma, os clubes de maior poderio financeiro seriam os mais afetados. A Premier League, por exemplo, estuda adotar redução que atingiria 50% dos salários de atletas da liga.

Ainda segundo o veículo, foram acertadas duas outras medidas protetivas: os clubes europeus não poderão rescindir com atletas e treinadores durante a paralisação dos campeonatos e a criação de um fundo econômico com centenas de milhões de euros com o objetivo de manter a estrutura do futebol atual e cobrir todas as suas partes (confederações, federações, jogadores, televisão, patrocinadores) .

Também foi debatida a duração do contrato dos jogadores, uma vez que muitos vínculos terminam no dia 30 de junho, quando estava previsto o fim da temporada atual. Com isso, eles seriam automaticamente estendidos para a nova data de término da temporada. Esta é uma proposta defendida pelo Grupo de Trabalho da Fifa, coletivo criado durante a crise para defender os direitos empregatícios de jogadores.