Futebol Diniz reconhece momento delicado do São Paulo, mas não teme demissão

Diniz reconhece momento delicado do São Paulo, mas não teme demissão

Técnico do Tricolor está pressionado após a derrota, por 4 a 2, para a LDU no Equador. Comandante não joga a toalha na Copa Libertadores e ressalta pontos positivos 

Lance
Lance

Lance

Lance

A pressão é enorme, mas o técnico Fernando Diniz segue no comando do São Paulo. Na noite desta terça, logo após a derrota, por 4 a 2, para a LDU na Copa Libertadores, o treinador falou que não tem medo de ser demitido, reconheceu a situação complicadíssima do clube na Copa Libertadores, mas fez questão de ressaltar os pontos positivos de sua equipe.

- Aqui no São Paulo não tem que ter medo de ser demitido, tem que trabalhar. Minha posição é de sempre fazer o melhor, de tentar melhorar a equipe para os jogos seguintes, lutar até o final e acreditar nas possibilidades que o São Paulo ainda tem - afirmou o treinador, ciente da complicada situação de sua equipe no Grupo D da Copa Libertadores.

Precisando do resultado para se manter com boas chances na Copa Libertadores, o São Paulo saiu perdendo para a LDU e foi para o intervalo com uma desvantagem de 3 a 0 no marcador. No segundo tempo, sobretudo com as entradas de Brenner, Paulinho Boia e Tréllez, a equipe melhorou, fez dois gols, mas não foi suficiente para evitar a derrota no Equador.

Na visão de Diniz, os seis desfalques (Daniel Alves, Luciano, Juanfran, Liziero, Walce e Rojas) pesaram negativamente para o Tricolor diante da LDU. Contudo, a entrada e a evolução dos jovens jogadores formados na categoria de base mostram que há, pelo menos, algo positivo a ser lembrado do desempenho na noite desta terça-feira.

- Temos ausências de Luciano, Daniel Alves, mas os jovens estão aí e são bons. Os jovens entraram e ajudaram. O saldo é muito mais positivo do que negativo desde quando cheguei. Vão jogando e criando casca - pontuou.

Últimas