Corinthians reforça sua postura democrática e relembra Golpe de 64

No aniversário de 56 anos do Golpe que instaurou a Ditadura Militar no Brasil por 21 anos (1964-1985), o Corinthians se posicionou a favor da manutenção da democracia no país 

Lance

Lance

Lance

Nesta terça-feira, o Corinthians reforçou seu perfil democrático nas redes sociais. No dia em que o Golpe Militar que derrubou o presidente João Goulart em 1964 completa 56 anos, o Timão relembrou a data e postou uma foto da final do Paulistão de 1983 - quando os atletas do Alvinegro entraram no campo com a faixa: 'Ganhar ou perder, mas sempre com democracia'.

Naquela temporada, o clube do Parque São Jorge vivia o segundo ano da Democracia Corinthiana. O Alvinegro conquistou o estadual em cima do São Paulo e o elenco com nomes como Sócrates, Casagrande e Wladimir ficou marcado pela luta pelas Diretas Já e pela reconquista do voto no Brasil.

- Está na nossa história, é o nosso DNA. O Corinthians é o Time do Povo, e é o povo que construiu o time! Sempre estivemos, estamos e estaremos na luta pela manutenção da democracia no Brasil - postou o Corinthians em suas redes sociais.

Está+na+nossa+história,+é+o+nosso+DNA.+O+Corinthians+é+o+Time+do+Povo,+e+é+o+povo+que+construiu+o+time!+Sempre+estivemos,+estamos+e+estaremos+na+luta+pela+manutenção+da+democracia+no+Brasil!+

+Irmo+Celso/Placar#DemocraciaCorinthiana+#VaiCorinthians+#DitaduraNuncaMais+pic.twitter.com/hW1jlcyL6g

—+Corinthians+(de+)+(@Corinthians)+March+31,+2020

Durante a Ditadura Militar, que durou dos anos de 1964 a 1985, o Congresso Nacional foi fechado em três oportunidades. O direito ao voto e o restabelecimento da democracia no Brasil apenas foi possível graças à pressão popular no início dos anos 1980.

Não é a primeira vez que o Corinthians manifesta publicamente sua luta pela manutenção da democracia. No ano passado, o clube pediu aos seus torcedores que exercessem seu direito ao voto nas eleições presidenciais. Em outras oportunidades, o clube do Parque São Jorge também se posicionou politicamente.