Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esporte - Notícias sobre Futebol, Vôlei, Fórmula 1 e mais
Publicidade

Confira cinco recordes da Copa do Mundo Feminina que podem ser quebrados nesta edição

Estreia do Mundial está marcada para dia 20 de julho

Futebol|Do R7


Lance
Estados Unidos busca tricampeonato seguido (Divulgação / Fifa)

A Copa do Mundo Feminina está prestes a começar. A nona edição do Mundial será realizada na Austrália e Nova Zelândia, com a estreia marcada para o dia 20 de julho. A Seleção Brasileira vai enfrentar o Panamá, pela primeira rodada, no dia 24, às 8h (de Brasília). Confira cinco recordes que podem ser quebrados neste ano.

Mais títulos seguidos

A hegemonia do futebol feminino é dividida entre Estados Unidos e Alemanha. Os norte-americanos possuem quatro títulos mundiais e as alemãs, dois. As seleções estão empatadas em títulos conquistados em sequência e os EUA podem quebrar a marca neste ano.

+ Federação Internacional atualiza top 50 de melhores times do mundo; ranking tem brasileiros

Publicidade

A seleção dos EUA vem de duas conquistas seguidas, em 2015 e 2019, enquanto a Alemanha venceu em 2003 e 2007, e chega à competição deste ano como uma das favoritas ao título, mais uma vez. Se vencer, será o terceiro título consecutivo. Uma nova prova de que ninguém pratica melhor o futebol feminino do que as americanas.

Neste ano, elas estão no Grupo E, ao lado Holanda, vice-campeã em 2019, Portugal e Vietnã.

Publicidade

Mais finais disputadas

Na esteira do domínio dos Estados Unidos, duas jogadoras buscam o recorde de presenças em finais de Copa do Mundo Feminina. Alex Morgan e Megan Rapinoe tentarão disputar a quarta decisão de título. Elas estiveram nas três últimas finais de Copa do Mundo, em 2011, quando perderam para o Japão, e em 2015 e em 2019, quando deram o troco nas japonesas e venceram as holandesas na decisão, respectivamente.

Publicidade

Rapinoe, em especial, chega à competição depois de ter sido a artilheira da edição passada e considerada a melhor jogadora do Mundial em 2019.

Mais gols em uma única edição

Existe uma marca na história da Copa do Mundo Feminina que foi alcançada ainda na primeira edição e que desde então nunca foi quebrada. Desde que Michelle Akers fez dez gols pelo Estados Unidos em 1991, nunca uma jogadora conseguiu ao menos igualar a marca.

Se for levado em consideração o fato de que o futebol feminino tem se tornado cada vez mais nivelado, com menor ocorrência de grandes goleadas, é difícil imaginar que alguma jogadora conseguirá fazer 11 gols na edição da Nova Zelândia e na Austrália.

A atacante Megan Rapinoe foi artilheira da última Copa do Mundo fazendo seis gols na competição. Neste ano, ela chega com chances de ser a principal goleadora novamente.

+ Copa do Mundo: comissão técnica da Seleção Feminina avalia primeira semana de treinos na Austrália

Jogadora mais nova da história das Copas

O recorde de jogadora mais nova a entrar em campo na Copa do Mundo Feminina pertence à nigeriana Ifeanyi Chiejine, que tinha 16 anos e 34 dias quando enfrentou a Coreia do Sul em 1999. Agora, uma sul-coreana pode quebrar essa marca. Casey Phair terá apenas 16 anos e 26 dias de vida quando sua seleção estrear no Mundial. Se a jogadora entrar em campo, entrará também para a história do esporte.

Jogadora mais velha a fazer gols em Copas

Formiga é a jogadora mais velha a disputar uma Copa do Mundo Feminina - ela tinha 41 anos e 112 dias quando disputou seu último jogo em Mundiais, contra a França, em 2019. Esse recorde não pode ser batido neste ano, mas outra marca da brasileira pode cair. Formiga é a jogadora mais velha a fazer um gol na Copa do Mundo Feminina. Afinal, ela tinha 37 anos quando marcou na Copa do Mundo de 2015. Nesta edição, haverá jogadoras mais velhas com chances de marcar, como a Marta.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.