Com Diniz, São Paulo retoma força como mandante no Brasileirão

Time venceu três partidas seguidas em casa e já pode igualar número de vitórias que Cuca teve como mandante. Domingo o adversário será o Atlético-MG, no Morumbi

Lance

Lance

Lance

Um dos pontos altos do início de trajetória de Fernando Diniz no São Paulo é o desempenho como mandante no Brasileirão: com o técnico, o time venceu os três jogos que disputou em casa, contra Fortaleza (2 a 1, no Pacaembu), Corinthians (1 a 0, no Morumbi) e Avaí (1 a 0, no Morumbi).

Se vencer também o Atlético-MG, às 16h de domingo, novamente no Morumbi, Diniz já vai igualar o número de vitórias de Cuca como mandante no Brasileirão. Com o ex-técnico, o São Paulo perdeu uma, empatou seis e venceu só quatro das 11 partidas que fez em casa na competição, contra Botafogo (2 a 0), Chapecoense (4 a 0), Santos (3 a 2) e Ceará (1 a 0). As últimas três foram em sequência, ou seja, Diniz também tem a chance de conquistar a maior série de vitórias como mandante do Tricolor nesta edição do torneio.

Os números vão melhorando pouco a pouco. Se era apenas o nono melhor mandante do Brasileirão com Cuca, o São Paulo agora é o sexto melhor. São 27 pontos conquistados diante da torcida, atrás de Flamengo (37), Palmeiras (33), Internacional (31), Santos (30) e Corinthians (29).

Diniz também tem conseguido afastar o time das últimas posições de um ranking histórico: quando ele chegou, o São Paulo tinha apenas 50% de aproveitamento no Morumbi em 2019, melhor apenas do que em 1964 (42,4%, o pior índice da história do estádio). Agora, após duas vitórias no local, o percentual já saltou para 58,8%. Já é melhor do que outros 11 anos da história.

A contrapartida é o desempenho como visitante. Com Cuca, o São Paulo era o terceiro melhor do Brasileirão, com cinco vitórias, dois empates e três derrotas. Diniz somou mais um empate (0 a 0 com o Flamengo) e uma derrota (1 a 0 para o Cruzeiro). Hoje, o time ocupa a quarta posição no quesito, com 19 pontos. Flamengo (27), Santos (21) e Palmeiras (21) estão à frente.