Futebol Brasileiro, treinador universitário nos EUA detalha pré-temporada: 'Agitada por conta do recrutamento'

Brasileiro, treinador universitário nos EUA detalha pré-temporada: 'Agitada por conta do recrutamento'

Gabriel De Queiroz mora na terra do Tio Sam há dez anos, e parte para sua terceira temporada como 'Head Coach' da Faulkner University, que disputa a NAIA

Lance
Lance

Lance

Lance

O crescimento de jovens brasileiros que partem rumo aos EUA em busca de realizar o sonho de ser tornarem estudante-atletas é grande. São diversas 'academias', como são chamados as instituições que fazem essa ponte burocrática entre Brasil e EUA.

Entretanto, não é só dentro das quatro linhas que temos conterrâneos por lá. Gabriel De Queiroz, 29 anos de idade, mora no Alabama, e atualmente é o Head Coach, ou treinador, da Faulkner University, que disputa a NAIA, uma das ligas universitárias do país.

No cargo há um ano, Gabriel conta como é o período de pós-temporada, que começa no fim de dezembro e dura até a metade de fevereiros, que é o período no qual os treinos visando o ano se iniciam.

- Essa época do ano é bem movimentada por conta do recrutamento, então estamos buscando atletas que se encaixem no perfil do time e da faculdade. Claro que tem o papel chato também, de ter que dispensar atletas. Mas tudo dentro de um plano estratégico, traçado junto com a Universidade. Não vou mentir, é um período complicado, estressante, e que necessita muita paciência - contou Gabriel.

Com a esperança de ter o plantel definido até o final de fevereiro, o treinador também explica como são os primeiros treinos, e relata que o foco neste início é a parte física.

- Os treinos começam de fato no próximo mês, então temos esse tempo para a montagem do elenco. A ideia é que o elenco seja fechado antes do início dos treinamentos, até por conta da adaptação. No começo nosso foco é o fortalecimento e a melhora do preparo físico, porque a temporada é intensa, com muitos jogos - concluiu Gabriel.

Com paralisações por conta das férias, o técnico diz que "depende muito" dos atletas também, que precisam se dedicar durante as férias, já que as competições universitárias nos EUA duram praticamente o ano inteiro.

Últimas