Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Botafogo retorna a Brasília em ano simbólico para o Estádio Mané Garrincha

Palco do confronto com o Boavista neste domingo (5), às 16h, pela Taça Guanabara, completa 40 anos desde que ganhou nome do eterno...

Futebol|

Lance
Lance Lance

Palco do confronto entre Boavista e Botafogo neste domingo, às 16h o Mané Garrincha guarda uma lembrança muito significativa neste 2023. Há 40 anos, o estádio de Brasília passava a ostentar o nome do "Craque das Pernas Tortas", que fez história no Glorioso e na Seleção Brasileira.

O LANCE! apurou que dias após a confirmação da morte de Garrincha (ocorrida em 20 de janeiro de 1983), a Associação Brasiliense de Cronistas Desportivos (ABCD) se mobilizou para fazer a homenagem no estádio. Quem estava à frente desta iniciativa era o jornalista Jorge Martins, presidente da Associação e torcedor do Botafogo.

LEMBRANÇA DO MANÉ EM PLANALTINA

Garrincha - Seleção
Garrincha - Seleção Garrincha - Seleção

Garrincha fez seu último jogo em Planaltina, em um amistoso pela AGAP-DF (Foto: Última Hora)

Continua após a publicidade

Anteriormente, o governador José Ornellas tinha outra homenagem ao camisa 7. O Estádio Adonir Guimarães, em Planaltina, recebera uma placa com o nome de "Mané Garrincha".

A solenidade era uma forma de recordar o último momento de Garrincha em campo. No dia 25 de dezembro de 1982, o craque, a convite de Manuelzinho, presidente da AGAP-DF (Associação de Garantia ao Atleta Profissional) reforçou a seleção da AGAP-DF em um amistoso contra o Londrina, clube amador da região de Planaltina.

Continua após a publicidade

Garrincha jogou por cerca de 60 minutos, mas, nas duas chances que teve, esbarrou no goleiro Paulo Victor (que, mais tarde, se consagrou no Fluminense). A lembrança da vitória por 1 a 0 naquele Natal também fez com que a sala da AGAP ganhasse o nome de Mané Garrincha.

CAMPANHA POR ESTÁDIO MANÉ GARRINCHA

Continua após a publicidade
Garrincha - 1962
Garrincha - 1962 Garrincha - 1962

Garrincha: o 'Craque das Pernas Tortas' que leva magia da camisa 7 do Glorioso (Foto: Reprodução de internet)

O desejo de reverenciar Garrincha ficou ainda mais ampliado em Brasília. De acordo com reportagem do "Correio Braziliense", no dia 24 de janeiro de 1983 ocorreu na sede da AGAP a reunião da Associação Brasiliense de Cronistas Desportivos (ABCD) para aprovar a ideia de mudança do nome do Estádio de Brasília e enviá-la ao governador José Ornellas. A justificativa ganhou destaque na imprensa:

"(...) como homenagem póstuma dos brasilienses àquele que foi, inegavelmente, o principal artífice pelas conquistas das Copas de 58 e 62, com ou sem Pelé".

A campanha ganhou espaço na imprensa e chamou atenção das autoridades. O chefe de Gabinete do governo, Jorge Jardim, declarou ao "Correio Braziliense" no dia 29 de janeiro que o governador Jorge Ornellas estava a par da manifestação da Associação Brasiliense de Cronistas Desportivos.

- O governador vai estudar assim que receber o documento - disse Jardim.

Em seguida, o chefe de Gabinete do governo destacou.

- Tenho certeza de que o caso não é muito difícil principalmente porque Garrincha fez seu último jogo aqui no Distrito Federal, láem Planaltina. E o estádio de Brasília seria uma homenagem dos brasilienses pelo tanto que ele fez pelo futebol em nosso país - afirmou Jorge Jardim, à época, ao "Correio Braziliense".

Rapidamente, a mudança de nome foi sancionada pelo governador. A partida que inaugurou o Mané Garrincha foi realizada em 15 de dezembro de 1983. Sob o comando de Carlos Alberto Parreira, a Seleção Brasileira de Novos (denominação utilizada na época), levou como Acácio, Jorginho, Berg, Alemão e Geraldo Touro venceu por 2 a 1 a Seleção do Distrito Federal.

Marcus Vinícius, então no Atlético-MG, e Chicão, à época na Ponte Preta, marcaram os gols da equipe canarinha. Péricles diminuiu para os brasilienses.

Há 40 anos com o nome de Mané Garrincha, o estádio de Brasília abre suas portas para o Botafogo.

Sob o comando de Luís Castro, o Alvinegro tenta mostrar que está em um rumo promissor para ter novos ares no futebol. No entanto, os botafoguenses sentem que suas raízes seguem cada vez mais fortes a cada momento que o nome de Mané Garrincha ecoa entre os torcedores.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.