Libertadores

Futebol Atlético-MG fica no 0 a 0 com o Boca Juniors em Buenos Aires

Atlético-MG fica no 0 a 0 com o Boca Juniors em Buenos Aires

O time argentino conseguiu anular as armas brasileiras e se empatar com gols, avançará às quartas de final da Libertadores

Lance
Atlético-MG pouco produziu ofensivamente contra o Boca

Atlético-MG pouco produziu ofensivamente contra o Boca

Lance

O Atlético-MG ficou no empate por 0 a 0 com o Boca Juniors no primeiro duelo das oitavas de final da Libertadores, nesta terça-feira, 13 de julho, no Estádio La Bombonera, em Buenos Aires.

A partida não teve um grande volume ofensivo das duas equipes, que poucas vezes tiveram chances reais de abrir o placar. O Galo tinha mais qualidade técnica, mas não soube se impor no campo do rival, que seguiu sua estratégia de evitar o trabalho do meio de campo alvinegro à risca, anulando as principais armas brasileiras: Hulk, Nacho e Savarino.

Um novo empate sem gols no duelo de volta, no dia 20 de julho, no Mineirão, levará a decisão da vaga às quartas de final para os pênaltis. Se o empate for com gols, o time argentino avançará na competição.



Sem ritmo de jogo?
O Boca não fazia uma partida oficial desde o dia 31 de maio, tendo apenas dois jogos-treinos no período. Parecia que os argentinos sentiriam mais o ritmo do jogo, mas não foi o que se viu em La Bombonera. O Galo colaborou para um ritmo mais cadenciado, já que os brasileiros não imprimiram grande velocidade no duelo.

Salvo pelo VAR
O Atlético-MG sofreu um gol no fim do primeiro tempo, marcado por Diego González. Porém, o VAR viu uma falta em uma disputa anterior em Nathan Silva e o tento foi anulado para a sorte atleticana.

Galo aceitava o jogo 'enjoado' do Boca e chamou o rival para o seu campo
Tecnicamente, o Atlético era superior ao time argentino. Porém, o time mineiro não conseguia se impor e entrava na “pilha” xeneize, que catimbava, segurava o jogo. Assim, a equipe de Buenos Aires resolveu atacar mais e levou perigo à meta de Éverson.

Dupla 'SavaHulk' e Nacho foram anulados
Savarino e Hulk até tentaram se encontrar durante o jogo. Mas, fora uma jogada individual ali, outra acolá, não conseguiram levar grande perigo ao gol do Boca Juniors. Miguel Angel Russo conseguiu neutralizar a dupla e ainda Nacho Fernández, que não estava 100% fisicamente, mas mesmo assim não conseguia articular bem o time.

Galo respeitou demais o Boca
Com mais time, mais ritmo de jogo, o Atlético perdeu a chance de se impor e conseguir sair com um resultado melhor. Respeitou muito o Boca, que está com uma equipe muito mexida e sem atuar desde de maio. Faltou mais ousadia ao time brasileiro.

Boca está 'morto'? Eis o perigo em pensar assim
O Atlético tem mais elementos de qualidade na sua equipe. Porém, não se pode pensar que a fatura será resolvida de forma fácil em BH, no jogo de volta. Esse tipo de situação não é novidade para o time argentino, que ressurge muito bem em momentos complicados. Logo, o Galo terá de estar ainda mais focado no duelo do Mineirão para vencer no tempo normal.

Duelo de volta
Galo e Boca voltam a se enfrentar no dia 20 de julho, às 19h15, no Mineirão, pelo duelo de volta das oitavas de final da Libertadores. Antes, no dia 17, o time alvinegro terá pela frente o Corinthians, pelo Campeonato Brasileiro.

BOCA JUNIORS 0 X 0 ATLÉTICO-MG
Data: 13 de julho de 2021
Horário: 19h15 (de Brasília)
Local: La Bombonera, Buenos Aires (ARG)
Árbitro: Andres Rojas (COL)
Assistentes: Milciades Saldivar (PAR) e Eduardo Cardozo (PAR)
VAR: Derlis Lopez (PAR)
Cartões amarelos: Rojo(BOC), Pávon (BOC), Allan (ATL), Zaracho (ATL), Vargas (ATL), Hulk (ATL)
BOCA JUNIORS (Técnico: Miguel Angel Russo): ​Rossi; Isquierdóz, Weigandt e Rojo; Sandez, Rolón, Medina(Orsini, aos 26’-2ºT), Diego González (Varela, aos 26’-2ºT), Villa, Briasco e Pávon.
ATLÉTICO-MG (Técnico: Cuca): Everson; Mariano, Réver(Dodô, aos 31’-2ºT) Júnior Alonso, Nathan Silva e Réver; Allan (Jair, aos 23’-2ºT), Tchê Tchê e Zaracho (Vargas, aos 23’-2ºT); Nacho (Calebe, aos 45’-2ºT) , Savarino (Dylan Borrero, aos 23’-2ºT) e Hulk

Athletico-PR e Vasco são os clubes que mais sofreram com convocação

Últimas