Futebol Após derrota, Roger admite oscilação do Fluminense na temporada e projeta Libertadores: 'Jogo da vida'

Após derrota, Roger admite oscilação do Fluminense na temporada e projeta Libertadores: 'Jogo da vida'

Treinador viu bons momentos do Tricolor ao longo da partida contra o Internacional e ressaltou que confronto foi decidido por desatenção

Lance
Lance

Lance

Lance

O Fluminense chegou a quatro derrotas seguidas no Campeonato Brasileiro após ser batido pelo Internacional por 4 a 2, na noite deste domingo no Beira-Rio. A apenas dois pontos da zona de rebaixamento após a 16ª rodada do Campeonato Brasileiro, a equipe se vê colecionando atuações abaixo do esperado e não vem tendo bons resultados. Em entrevista coletiva após a partida, o técnico Roger Machado admitiu a oscilação.

+ ATUAÇÕES: Roger leva a pior nota em quarta derrota seguida do Fluminense; veja como foi o time

- Naturalmente as equipes vão oscilar. O que procuramos sempre é conciliar desempenho e resultado. Somos um time competitivo, que joga no limite da capacidade. Tem jogadores jovens sendo lançados e colocados a prova em jogos muito importantes também. Esse nosso momento que é grande na temporada, o mês de agosto é pesado em função dessas decisões de Copa do Brasil e Libertadores, além do Brasileiro, temos oscilado, sobretudo no Brasileiro, que não conseguimos vencer há quatro rodadas. Nas eliminatórias passamos competindo, mas de fato precisamos encontrar algumas soluções - avaliou o treinador.

- Hoje foi a tentativa de buscar algumas peças diferentes, os jogadores em outros lugares para dar uma consistência. Penso que funcionou. O Yago jogou bem em uma posição que atuava há um tempo e deu uma consistência defensiva importante, conseguiu ter seu jogo. Mas é difícil falar de um jogo que sai perdedor por 4 a 2 e deseja tirar algo positivo. Mas não posso deixar de avaliar que até os 47 estávamos levando um ponto importante - completou.

Veja a tabela do Brasileirão

Depois do resultado ruim, o Fluminense começa a se preparar para o jogo de volta da Libertadores, na próxima quinta-feira, às 21h30, contra o Barcelona de Guayaquil (EQU), no Equador. A ida foi 2 a 2 no Maracanã, o que obriga a equipe a vencer ou empatar por pelo menos três gols.

- Mas a frustração do resultado e o desânimo dos atletas no vestiário demonstram como a insatisfação de um resultado assim reflete no grupo. É procurar ter serenidade porque temos uma decisão. Era importante pontuar no Brasileiro, mas também levar a confiança para a Libertadores. Esse grupo já provou muitas vezes que é possível e tem mais uma oportunidade - disse.

Na avaliação de Roger, o Fluminense não fez uma partida ruim no Beira-Rio. A equipe saiu na frente e buscou o 1 a 1 com Yago Felipe ainda no primeiro tempo. Depois, conseguiu empatar em 2 a 2 o jogo no finzinho, com gol de cabeça de Nino. Nos acréscimos, sofreu dois gols que decretaram a derrota. O Flu tem 17 pontos e cai para a 15ª posição, apenas dois pontos a frente do Sport, que abre a zona de rebaixamento.

- O jogo foi decidido nos minutos finais, penso que tivemos bons momentos na partida. O resultado com os dois gols não demonstra o que foi a totalidade do jogo. Se reunirmos as energias, a confiança, o que temos como característica no grupo é a competitividade, os jogadores que quando estão no melhor momento decidem a nosso favor. É isso que quero reunir para a semana. Fazer desse jogo o jogo da nossa vida porque vale a classificação para a semifinal da Libertadores.

VEJA OUTRAS RESPOSTAS

QUATRO DERROTAS SEGUIDAS

Com relação ao Brasileiro, é evidente que nos preocupa os quatro jogos sem vencer, dentro dessa maratona de três competições simultâneas. Não é explicação, mas conseguimos encontrar justificativas no grande volume de jogos que estamos tendo. É reunir as energias, não é o momento de apontar culpados. Vamos trabalhar para estar bem emocionalmente na quinta-feira para esta decisão.

MUDANÇAS

As equipe vão passar por um mau momento, seja por suspensão ou lesão. Na janela as equipes vão perder jogadores importantes. O mau momento coletivo em função do desgaste vai acarretar, por vezes as minhas escolhas dentro do campo também influenciam no processo. Acredito que tudo isso somado a esse mês decisivo de muito volume de jogos tenha tirado um pouco dos trilhos na coletividade. Temos buscado alternativas para melhorar. O resultado é muito ruim tendo em vista que temos uma partida importante na quinta-feira. Temos que estar com a confiança no alto. Esse jogo era muito importante para a confiança no Campeonato Brasileiro, principalmente, e no segundo momento para conseguir pontos que nos dessem a subida na tabela e a confiança. Neste momento temos que estar muito fechados. As explicações vamos procurar e buscar alternativas para minimizá-las.

NOVO ESQUEMA

A formação foi visando o jogo de hoje apenas. Nada impede que em algum momento seja utilizada. Penso que fizemos um jogo de recuperação durante os 90 minutos, saindo atrás no placar. Com essa formação conseguimos ter o controle do meio, com o Paulo atrás do Abel tivemos o controle da posse muitas vezes. Saímos duas vezes atrás no placar e conseguimos com força e confiança empatar. O jogo se decidiu nos dois minutos finais que nos descuidamos do setor defensivo e levamos o gol do 3 a 2 que foi uma jogada parecida com a do primeiro gol. Claro que é frustrante estar levando um ponto importante fora de casa e acabar com um 4 a 2 restando menos de dois minutos para acabar. Não é o momento de apontar culpados, o treinador assume a responsabilidade do processo e que essa derrota não tire nossa confiança para a semana.

Últimas