Aplicação defensiva, noite de Muriel e acertos de Odair: Fluminense supera problemas em título

Odair define noite como 'taticamente perfeita' em partida que anulou o Flamengo de Jorge Jesus e garantiu fôlego extra no Campeonato Carioca

Lance

Lance

Lance

A missão não era fácil para o Fluminense. Inferior física e tecnicamente, o Tricolor tinha um objetivo claro na final da Taça Rio: segurar um Flamengo que parecia imparável. Depois de três jogos ruins, com dois empates e uma derrota após a retomada das partidas, a aplicação tática na defesa e uma noite inspirada do goleiro Muriel deram o título na disputa de pênaltis ao Tricolor, que agora disputará a decisão do Campeonato Carioca em duas partidas. Mais do que isso, o resultado dá fôlego a Odair Hellmann.

Sem Fred, lesionado, o treinador teve mais espaço para trabalhar com velocidade e uma formação com entrosamento. A estratégia traçada e já adiantada por Odair na semifinal era clara: tentar ter a bola no pé e dar tudo na marcação. A primeira parte não deu certo, já que o Flu teve apenas 38,4% da posse, de acordo com o "Footstats". No entanto, a exaustão de todos os jogadores ao final da disputa de pênaltis mostrou a dedicação para compensar no restante. Foi a primeira vez em 2020 que o time de Jorge Jesus fez menos de dois gols. Isso evidencia o poder do Fla e o feito do Flu.

Apesar de ter a confiança da diretoria, Odair ainda luta para ganhar mais espaço com a torcida. O treinador tem 19 jogos pelo Fluminense, com 10 vitórias, cinco empates e quatro derrotas, somando 62% de aproveitamento.

- A mudança tática deu muito certo. Fortalecemos o meio-campo, equilibramos as fases do jogo. Principalmente nesse momento deu o equilíbrio importante para a equipe ficar consistente e conseguir fazer as execuções táticas coletivas, mas principalmente para o jogador ficar confiante e exercer a qualidade no campo de jogo. Estamos já preocupados com a próxima partida. Hoje conseguimos defender muito organizado, mas quando recuperamos a posse conseguimos sair com triangulações e passes curtos, ou usando a bola de infiltração buscando as costas da linha alta do Flamengo - analisou após o jogo.

Os encaixes defensivos do Fluminense, principalmente para anular Everton Ribeiro e Arrascaeta nas jogadas pelas pontas, deram certo. O Flamengo, conhecido pelo grande volume de chances de gol, criou pouco. Quando as oportunidades saíram, a equipe acabou travada por uma noite inspirada do goleiro Muriel. Criticado após falhar contra o Volta Redonda, o arqueiro foi bem no tempo normal e defendeu duas cobranças na disputa de pênaltis.

- Hoje as coisas aconteceram ao nosso favor e deram certo. Mas não é fácil conseguir. Eles têm uma grande equipe treinada pelo Jorge Jesus, de muita qualidade, a qual nós respeitamos. Vamos sempre para o campo buscar a vitória do primeiro ao último segundo, honrando a camisa, mesmo passando dificuldades dentro do jogo - afirmou Odair.

O Fluminense ainda precisará melhorar a parte ofensiva, especialmente para os dois jogos da final do Campeonato Carioca, que devem ter um ritmo parecido com esse em termos de esforço físico. O que fica de lição é a forma como saiu o primeiro gol após a retomada dos jogos: de bola parada, aproveitando a chance criada em um espaço dado pelo Fla. Caso Odair não encaixe a transição ofensiva com menos espaços entre os jogadores, essa pode ser a saída em busca do título do Estadual.