Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

ANÁLISE: Desentrosado na altitude, Fluminense vê erros custarem derrota para o The Strongest na Libertadores

Entre vacilos e momentos de apatia, equipe de Fernando Diniz tem resultado negativo em La Paz

Futebol|

Lance
Lance Lance

O fato do Fluminense sair de campo derrotado por 1 a 0 para o The Strongest na altitude de La Paz não chega a trazer grandes escoriações em relação à campanha da equipe nesta edição da Copa Libertadores.

Em uma partida na qual o técnico Fernando Diniz optou por lançar uma equipe repleta de reservas, o Tricolor das Laranjeiras conteve um bombardeio ainda maior e teve alguns aspectos para o elenco ficar atento.

+ Fernando Diniz lamenta derrota do Fluminense e fica na bronca com jogo na altitude na Libertadores: ‘É uma coisa quase criminosa’

+ 10% OFF nos mantos internacionais a partir de R$299,90 com o cupom: LANCEFUT

Publicidade

COCHILO GENERALIZADO NO INÍCIOTime do The Strongest celebra gol de Triverio (Jorge Bernal/ AFP)

Diniz se queixou do fato do Fluminense ter sofrido, pelo segundo jogo consecutivo, um gol após cobrança para a área. Mas o que chamou atenção foi a pane tricolor. Uma cobrança de escanteio se tornou traiçoeira diante de um vacilo completo do setor defensivo e permitiu que Triverio rompesse livre até estufar a rede de Fábio.

Publicidade

Embora o desentrosamento causasse problemas, não justifica tamanha desatenção diante de um atacante que está com moral. O gol logo aos três minutos empolgou o Tigre e mudou o rumo da partida, uma vez que a equipe de Laranjeiras teve ainda mais dificuldades diante da altitude.

PASSA PARA QUEM?Equipe luta para manter o esquema de Diniz, mas esbarra em erros (Marcelo Gonçalves/ Fluminense)

Publicidade

A estratégia do técnico Fernando Diniz em trocar passes passou longe de funcionar na altitude. Os jogadores ensaiaram as tentativas de jogar de pé em pé, mas esbarravam em erros primários. Alguns deles eram causados pela perda de tempo de bola de altitude e outros por desatenção e desentrosamento.

MEIO DE CAMPO INSTÁVELThiago Santos em ação na partida com a camisa tricolor (Marcelo Gonçalves/ Fluminense

O trio formado por Thiago Santos, Martinelli e Gabriel Pirani lidou com muitos desafios em campo. O camisa 29 se atrapalhou na marcação em alguns momentos e deixou o meio vulnerável principalmente para investidas de Ortega.

De volta após um período afastado por lesão, Martinelli também pouco apareceu em campo e não criou jogadas ao lado de Gabriel Pirani. Pirani, por sua vez, buscou algumas arrancadas, mas se afobou demais em investidas. Neste contexto, o The Strongest facilmente foi encontrando espaços e teve amplo domínio para lutar por investidas e finalizações. Nem mesmo variações como a entrada de André surtiram efeito.

FÁBIO SURGE COMO SALVADORFábio: nove defesas na partida (Marcelo Gonçalves/ Fluminense

A frouxidão na marcação se estendeu também ao setor defensivo. David Braz e Manoel sentiam os efeitos do tempo da bola e Fábio passou a ser exigido com frequência. O goleiro, em noite histórica, fez nove defesas e evitou que o Tricolor das Laranjeiras saísse de campo sofrendo uma goleada.

Foram defesas em finalizações de longe, chutes à queima-roupa, cabeçada, cobrança de falta...

FALTA DE CONTUNDÊNCIAArias entrou em campo, mas pouco acrescentou no duelo (Marcelo Gonçalves/ Fluminense)

Em alguns momentos da partida, o Tricolor das Laranjeiras teve chances de mostrar poder de reação. O The Strongest deixou espaços para investidas do Tricolor das Laranjeiras e a equipe esboçou que tinha ímpeto ofensivo. Só que os atletas se atrapalhavam ao definirem jogadas.

John Kennedy foi o jogador mais aguerrido do setor. Ao se lançar à frente, desvencilhou-se bem de atletas do Tigre e tentou finalizações especialmente de longe. Porém, não chegou a ser preciso ao concluir. Lelê teve um breve bom momento, ao roubar a bola de um defensor e se livrou de dois adversários, mas a altitude comprometeu sua chance de concluir para a rede. Isaac também não estava com a pontaria afiada. Lançado no decorrer da partida, Arias pouco fez em campo.

Gradativamente, o peso da altitude foi custando caro e fez com que o Fluminense não se ajustasse nem mesmo com novas alterações. A maratona de jogos cobrou um preço na Copa Libertadores, em especial por se tratar de um jogo na altitude. Agora, a esperança é de que, com seus titulares descansados, a equipe obtenha sua cobiçada classificação para a próxima rodada o mais breve possível.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.